In natura sobe e IGP-M desacelera menos que o esperado

terça-feira, 30 de outubro de 2007 15:28 BRST
 

Por Vanessa Stelzer

SÃO PAULO (Reuters) - Os voláteis e imprevisíveis custos dos alimentos in natura fizeram a inflação pelo Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) ficar acima do esperado em outubro, mas a expectativa ainda é de desaceleração até o fim do ano.

Os preços de carnes e leite que mantiveram a inflação pressionada nos últimos meses desaceleraram bem, o que garantiu uma redução do IGP-M, mas produtos como o feijão ganharam força, impedindo uma queda maior.

O IGP-M subiu 1,05 por cento no mês, abaixo da alta de 1,29 por cento de setembro, mas acima da expectativa de analistas ouvidos pela Reuters, de 0,85 por cento. Os prognósticos variaram de 0,76 a 0,92 por cento.

"A gente está em uma fase de desaceleração da inflação, que vai se aprofundar, mas está em um ritmo lento, devido a esse choque dos in natura", disse Salomão Quadros, economista da FGV.

O Índice de Preços por Atacado (IPA) avançou 1,42 por cento em outubro, depois da alta de 1,83 por cento no mês anterior.

Os preços agrícolas no atacado desaceleraram a alta, para 4,57 por cento neste mês, ante 5,57 por cento em setembro, mas menos que o esperado. Alguns analistas esperavam que o preços dos agrícolas no atacado subissem menos de 4 por cento no mês.

Os destaques ficaram com as altas de soja (9,77 por cento), milho (9,36 por cento), feijão (25,90 por cento) e mandioca (6,34 por cento).

O grupo dos in natura subiu 6,38 por cento em outubro, contra 0,33 por cento em setembro, enquanto os preços de matérias-primas brutas --como bovinos-- desaceleraram a alta em quase 2 pontos percentuais, para 3,89 por cento.   Continuação...