CMN muda cálculo da TR e evita rendimento negativo da poupança

quinta-feira, 31 de janeiro de 2008 14:25 BRST
 

BRASÍLIA, 31 de janeiro (Reuters) - O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou nesta quinta-feira alteração na metodologia de cálculo da Taxa Referencial para garantir a remuneração mínima da poupança exigida em lei, de TR mais 0,5 por cento ao mês.

A TR é calculada com base em fórmula que combina os números de dias úteis do mês e a Taxa Básica Financeira.

Segundo o diretor do Departamento de Normas do BC, Alexandre Tombini, com a TBF nos níveis atuais, a TR poderia ficar negativa em alguns dias do mês de fevereiro, em que haverá apenas 18 dias úteis, prejudicando o rendimento da poupança.

Pela nova regra, sempre que a TR for negativa, o valor adotado será zero. A medida afetará também os financiamentos imobiliários, que são igualmente corrigidos pela TR.

"É um ajuste muito pontual, só terá impacto mesmo em fevereiro", afirmou Tombini a jornalistas.

O CMN também aprovou uma mudança nas normas contábeis a serem adotadas pelos bancos.

A principal delas determina que, sempre que uma instituição financeira vender a outra instituição uma carteira de crédito, mas reter os riscos e benefícios da carteira, por meio de um acordo de recompra, por exemplo, esses riscos deverão ser explicitados no balanço.

As regras atuais, segundo Tombini, poderiam abrir espaço para uma alavancagem maior do que seria recomendável por parte de algumas instituições. Ele ressaltou, no entanto, que os bancos abertos já adotam o procedimento mais rigoroso.

(Por Isabel Versiani; Edição de Daniela Machado)