PRÉVIA-Brasileiro gasta mais e sustenta lucro de bancos

quinta-feira, 1 de novembro de 2007 16:36 BRST
 

 Por Juliana Siqueira
 SÃO PAULO, 1o de novembro (Reuters) - O forte aumento na
concessão de crédito no país continuou impulsionando o lucro
dos bancos brasileiros no terceiro trimestre em relação ao
mesmo período de 2006, afirmam analistas do setor. Apesar
disso, na comparação com o segundo trimestre o desempenho das
instituições financeiras deve ter caído um pouco, efeito da
queda da receita nas tesourarias, prejudicadas pela crise de
crédito global.
 "(A fórmula para o lucro continua sendo) crescimento da
carteira de crédito, manutenção de spread elevado e receita de
serviços", disse Erivelto Rodrigues, da Austin Rating. "(A
crise de crédito) teve algum impacto em tesouraria,
principalmente no Itaú, mas nada relevante", acrescentou.
 O setor tem se beneficiado cada vez mais do aumento do
consumo pelos brasileiros, com respaldo na queda do juro e na
estabilidade da economia, o que evidencia o dado que indica que
as operações de crédito já correspondem a 33 por cento do
Produto Interno Bruto (PIB) do país.
 O Bradesco BBDC4.SA, por exemplo, vê expansão de até 27
por cento de sua carteira de crédito este ano. Já a maior
carteira do país, a do Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações), que supera
os 145 bilhões de reais, cresceu 28,4 por cento nos 12 meses
encerrados em junho.
 "Esperamos mais uma safra de bons resultados recorrentes
pela frente, tendo como pano de fundo forte crescimento da
carteira, principalmente pessoa física e no nicho de pequenas e
médias empresas", disse a analista do setor na corretora Fator,
Laura Pessoa, citando ainda inadimplência relativamente estável
e redução modesta do spread.
 Nos balanços de terceiro trimestre, a expansão do crédito
deve fazer o lucro recorrente de Bradesco, Itaú ITAU4.SA e
Unibanco UBBR11.SA. crescer entre 7 e 20 por cento frente ao
mesmo trimestre do ano passado, segundo pesquisa da Reuters com
seis analistas.
 Já o ganho do estatal Banco do Brasil (BBAS3.SA: Cotações) deve ter
aumento mais significativo, dada a fraca base se comparação de
2006.
 "Ainda estamos bastante otimistas com relação ao atual
ciclo de crescimento econômico no qual os bancos brasileiros se
encontram. Acreditamos que esse ciclo vai dar impulso positivo
para o setor na segunda metade de 2007 e em 2008", escreveu o
chefe de pesquisa da corretora Unibanco, Carlos Constantini, em
relatório.
 O Bradesco abrirá na segunda-feira a lista dos grandes
bancos que divulgarão resultados de terceiro trimestre. Os
números serão divulgados logo pela manhã.


 ITENS EXTRAORDINÁRIOS
 Itaú e Unibanco devem contar ainda com a ajuda da venda de
participações na Redecard RDCD3.SA, empresa responsável pela
captura e transmissão de transações de cartões de crédito e
débito, cuja oferta pública de ações levantou 4,6 bilhões de
reais em julho. A operação rendeu um ganho de aproximadamente 1
bilhão de reais para cada banco.
 No Bradesco, por outro lado, a amortização da compra do BMC
terá efeito líquido negativo de cerca de 400 milhões de reais,
segundo estimativa de dois dos analistas.
 Já o BB terá o efeito das despesas relativas ao Plano de
Aposentadoria Antecipado e contabilização da despesa relativa à
reestruturação do plano de saúde da Caixa de Assistência dos
Funcionários do Banco do Brasil, com impacto em torno de 340
milhões de reais.


 Veja abaixo as médias das projeções para lucro recorrente
feitas por analistas:

BANCO         3o TRI/07    3o TRI/06    VARIAÇÃO     ANALISTAS
           PREV(R$mi)*  LUCRO(R$mi)* PERCENTUAL
==============================================================
Bradesco      1.720        1.611           6,8%        6
Itaú          1.851        1.549          19,5%        4
Unibanco        622          566           9,9%        5
BB            1.345          831          61,8%        5
==============================================================
 * Lucro recorrente, sem considerar efeitos extraordinários