Presidente de Angola convocará primeiras eleições em 16 anos

sábado, 31 de maio de 2008 14:09 BRT
 

LUANDA (Reuters) - O presidente da Angola, José Eduardo dos Santos, deve dar na semana que vem a permissão final para eleições parlamentares, as primeiras a acontecer no país africano, rico em petróleo, em 16 anos.

O Jornal de Angola, publicação estatal, disse que Eduardo convocou o Conselho Republicano, composto por conselheiros e membros do partido de oposição, para um encontro na terça-feira, a fim de discutir se as condições são favoráveis para as eleições parlamentares ainda este ano.

O gabinete do presidente não quis comentar imediatamente mas, no ano passado, Eduardo anunciou que as eleições parlamentares ocorreriam nos dias 5 e 6 de setembro. A lei angolana exige que o presidente confirme estas datas 90 dias antes da votação. As eleições presidenciais devem ocorrer em 2009.

"Chegou a hora, chefe", publicou em primeira página o jornal semanal A Capital, referindo-se ao primeiro teste eleitoral do presidente, desde que as eleições foram suspensas em 1992, o que levou a uma guerra civil que matou mais de 1 milhão de pessoas.

O fim da guerra civil, em 2002, fez com que uma onda de investimentos chegasse ao país, que é o segundo maior produtor de petróleo no continente africano. Com isso, tanto o governo quanto a iniciativa privada deram início a grandes projetos de infra-estrutura, a fim de reconstruir estradas, pontes e o sistema de comunicações.

Mas a data das próximas eleições era sempre adiada, devido em parte à falta de eleitores registrados no país, onde muitos ainda não têm documentos de identificação apropriados.

A Comissão Eleitoral da Angola está fazendo uma campanha nacional para registrar cerca de 7,5 milhões de eleitores e instalar seções eleitorais pelo país.

O MPLA, o partido do governo, deve obter a maioria no parlamento, mas a votação vai ser um grande teste para o presidente, que medirá sua popularidade para as eleições do ano que vem, quando completa 30 anos no poder.

(Reportagem de Henrique Almeida)