Aliados excluem Carlos Wilson do pedido de indiciamento de CPI

quarta-feira, 31 de outubro de 2007 13:33 BRST
 

BRASÍLIA (Reuters) - Com a retirada dos senadores oposicionistas, a CPI da Crise Aérea no Senado votou de forma contrária ao relatório do senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que pedia o indiciamento de 23 pessoas, 21 ligadas ao antigo comando da Infraero.

Os aliados conseguiram aprovar o relatório em separado do senador João Pedro (PT-AM), que exclui nove pessoas da relação original, entre elas o deputado Carlos Wilson (PT-PE), ex-presidente da Infraero.

Os senadores da oposição se retiraram da CPI contrariados com a apresentação do voto em separado de João Pedro.

O senador Agripino Maia (DEM-RN) ainda tentou adiar a votação do relatório final, mas diante da recusa dos integrantes da CPI, abandonou a sala, em atitude que foi seguida pelos demais senadores oposicionistas.

Demóstenes Torres foi o único a ficar na sala e votou sozinho pelo seu relatório, que teve seis votos contrários.

O relatório em separado poupou nove pessoas que tinham o indiciamento pedido por Demóstenes Torres, mas manteve o pedido de indiciamento da ex-diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu.

Na eleição do ano passado, Carlos Wilson foi eleito deputado pelo PT, após mandatos anteriores. Foi substituído na Infraero por José Carlos Pereira, que já deu lugar a Sergio Gaudenzi. De acordo com o relatório de Demóstenes Torres, havia um esquema de superfaturamento de obras na Infraero.