15 de Maio de 2014 / às 23:24 / em 3 anos

'Godzilla’ combina personagens fortes com história de monstros e ação

NOVA YORK (Reuters) - Sessenta anos depois de Godzilla, o réptil gigante, arrasar com a Tóquio pós-guerra no clássico filme japonês, produtores de Hollywood se empenharam em descobrir como a história poderia ainda cativar audiências que já viram de tudo.

Ironicamente, eles se viram buscando no passado.

A tarefa de dirigir o arrasa quarteirão de 100 milhões de dólares foi confiada ao britânico Gareth Edwards. Ele foi recrutado após o sucesso de seu longa independente “Monsters” , que teve um orçamento divulgado de apenas 500 mil dólares, tendo arrecadado mais de 4 milhões de dólares em todo mundo.

“Todas aquelas imagens incríveis e espetaculares são um tanto sem sentido se você não investir em cuidar das personagens que são afetadas por tudo aquilo”, disse Edwards à Reuters.

Edwards disse que tentou reproduzir o estilo de clássicos como “Tubarão”, “ Alien” e “King Kong”. “Aquele é um jeito de fazer filmes que eu adoro e com o qual cresci”, disse o diretor.

Ele reuniu um rol de estrelas lideradas por Aaron Taylor-Johnson, de 23 anos, e Elizabeth Olsen, 25. Atores premiados como Bryan Cranston, Ken Watanabe, Sallu Hawkins, Juliette Binoche e David Strathairn também aparecem em “Godzilla”.

Taylor-Johnson, que interpretou John Lennon em “O Garoto de Liverpool”, atua como Ford, um oficial da Marinha que lidera a luta contra Godzilla. Quinze anos antes, Ford vivia no Japão com seus pais cientistas (Cranston e Binoche) quando um acidente nuclear causou trágicas consequências.

Olsen, que estrelou em “Old Boy”, interpreta sua esposa Elle. Muito do drama particular do filme vem da separação do casal enquanto o animal avança do Havaí para San Francisco.

Para ele, o novo filme combina uma forte construção das personagens com uma história de monstros e ação.

Edwards disse que há ocasiões em que boas histórias foram preteridas por efeito especiais e estonteantes em Hollywood, o que ele estava determinado a evitar.

“Hoje nós podemos jogar qualquer coisa na tela, e eu acho que em consequência uma série de filmes são prejudicados, porque é fácil ser seduzido a somente jogar tudo aquilo dentro”, disse ele. “Esse era o crime que eu mais tinha medo de cometer.”

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below