Setor de veículos deve cortar em julho projeções de 2014

quinta-feira, 5 de junho de 2014 15:28 BRT
 

- Por Alberto Alerigi Jr.

SÃO PAULO, 5 Jun (Reuters) - A indústria brasileira de veículos deve fazer um ajuste para baixo em suas projeções deste ano, após um desempenho nos cinco primeiros meses bem abaixo do esperado pelo setor.

As montadoras instaladas no Brasil acumulam queda de mais de 13 por cento na produção de janeiro a maio que tem se refletido em programas de demissão voluntária e de suspensão de contratos de trabalho. Já as vendas no período mostram queda de 5,5 por cento.

A expectativa da Anfavea, associação que representa o setor, por enquanto, é de crescimento de 1,4 por cento no volume produzido este ano e de 1,1 por cento nos licenciamentos de veículos.

Além das quedas de produção e vendas, as exportações mostram baixa de 32 por cento em unidades despachadas ao exterior ante expectativa do setor de aumento de 1,6 por cento neste ano.

"Provavelmente, no mês de julho, faremos um ajuste nas projeções (...) O viés é de baixa geral", disse o presidente da Anfavea, Luiz Moan, nesta quinta-feira.

Apesar disso, ele afirmou que não compartilha do "mau humor vigente no mercado", acrescentando que espera que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresça perto de 2 por cento este ano.

Em maio apenas, a produção de veículos no Brasil caiu 18 por cento, no terceiro recuo consecutivo na comparação anual. Enquanto isso, as vendas caíram 7,2 por cento.Com esse resultado, o setor encerrou o mês com estoques de 400 mil veículos distribuídos entre concessionárias e pátios de fábricas, alta de 1,8 por cento sobre abril. Em dias úteis, este volume é suficiente para 41 dias de vendas, nível considerado elevado pelo setor.

Segundo Moan, a fraqueza nas vendas no mercado interno pode ser atribuída a baixos índices de confiança dos consumidores e "seletividade" dos bancos na concessão de financiamentos para compra de novos.   Continuação...