ENTREVISTA-Pessimismo afeta até áreas do governo antes bem avaliadas, diz CEO do Ibope

segunda-feira, 23 de junho de 2014 14:47 BRT
 

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O mau humor quase generalizado entre a população brasileira tem afetado a avaliação do governo da presidente Dilma Rousseff até mesmo em áreas historicamente bem vistas pela população, disse nesta segunda-feira a CEO do Ibope Inteligência, Márcia Cavallari, que apontou a disputa presidencial deste ano como uma das mais incertas da história.

Pesquisa Ibope encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) e divulgada na quinta-feira, mostrou a presidente Dilma Rousseff ainda liderando com folga a corrida eleitoral, embora metade dos entrevistados desaprovem a maneira da presidente governar.

Além disso, o levantamento apontou que 53 por cento desaprovam as políticas do governo no combate à fome e à pobreza, uma das principais bandeiras dos quase 12 anos de governos do PT na Presidência.

"Combate à fome sempre foi positivo. Até no auge das manifestações de 2013, ainda assim a maioria aprovava as políticas em relação ao combate à fome. A pesquisa (CNI/Ibope) de março já mostrou um empate entre aprovação e desaprovação e essa agora (junho) mostrou uma desaprovação maior", disse Cavallari em entrevista à Reuters por telefone.

"O que eu imagino que esteja acontecendo é que há um clima de pessimismo, as pessoas estão meio sem perspectivas de futuro, e isso acaba contaminando tudo."

Cavallari reconheceu que a atual disputa presidencial, que tem como principais candidatos Dilma, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), tem ainda diversas variáveis imprevisíveis, o que aumenta a incerteza sobre o que deve acontecer a seguir.

Entre essas variáveis, destaca-se o desejo de mudança expresso por grande parte da população. Em pleitos passados, esse sentimento seria imediatamente entendido como má notícia para a situação e boas novas para a oposição. Não agora.

"As pessoas falam que querem mudar, mas muitas delas que querem mudar falam que querem mudar com a presidente no governo", disse a CEO do Ibope, indicando que todos os três principais postulantes ao Planalto têm espaço para capitalizar esse desejo de mudanças.   Continuação...