Felipão fará mudanças no Brasil e fala em busca de “sonho menor”

sexta-feira, 11 de julho de 2014 20:04 BRT
 

Por Tatiana Ramil

BRASÍLIA (Reuters) - O técnico Luiz Felipe Scolari confirmou que fará duas ou três mudanças na seleção brasileira para o jogo com a Holanda, no sábado, e citou a conquista do terceiro lugar da Copa do Mundo como um “sonho menor”, após a derrota humilhante para a Alemanha na semifinal.

“Por necessidade vou fazer duas ou três substituições em virtude dos outros jogos também. Uma substituição, em um determinado setor, pode ser importante amanhã e também por gostar desse jogador”, disse Felipão nesta sexta-feira no Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, local da partida contra os holandeses.

“Mas não vou colocar jogador que não tenho a completa confiança para ganhar o jogo”, completou ele.

O treinador brasileiro classificou o holandês Robben como o melhor jogador da Copa do Mundo e disse que no treinamento desta manhã, na Granja Comary, em Teresópolis, simulou jogadas do próximo rival com Marcelo atuando na função de Robben.

Felipão fez várias mudanças no treino, incluindo a retirada do atacante Fred do time titular, mas disse que na atividade “não teve titular nem reserva... se tinham titulares eram os que estavam treinando defensivamente”.

Depois de perder por 7 x 1 para a Alemanha na semifinal, o Brasil busca o terceiro lugar do Mundial em casa como um prêmio de consolação.

“Não conseguimos (chegar à decisão), agora vamos buscar um sonho menor”, afirmou Felipão, destacando que quando era treinador de Portugal disputou o terceiro lugar da Copa de 2006 com a anfitriã Alemanha e viu “o quanto a Alemanha comemorou aquele terceiro lugar”, para depois partir para uma reformulação de seu futebol.

O técnico disse que após a pior derrota do Brasil na história procurou recuperar os jogadores na "parte psicológica, para que tenham a perspectiva de que seja nosso sonho principal".   Continuação...

 
Técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, durante entrevista coletiva em Brasília. 11/07/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino