EUA ampliam sanções contra a Rússia por crise na Ucrânia

quarta-feira, 16 de julho de 2014 19:56 BRT
 

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta quarta-feira as sanções mais duras até agora contra a economia russa, mirando importantes empresas como a Gazprombank e a Rosneft Oil, bem como outras companhias de energia e defesa.

Washington tem aumentado constantemente as sanções financeiras contra a Rússia pelo que considera ser uma interferência de Moscou na vizinha Ucrânia e a anexação da Crimeia. Obama disse que os EUA poderiam impor novas punições se a Rússia não tomar medidas concretas para atenuar o conflito.

O presidente russo, Vladimir Putin, que está em visita ao Brasil, disse em Brasília que precisava ver os detalhes das sanções para avaliar o que significam. Ele afirmou ainda que as sanções normalmente têm efeito bumerangue e que levarão as relações bilaterais a um beco sem saída.

As empresas atingidas pelas sanções também incluem a segunda maior produtora de gás da Rússia, a Novatek, a Vnesheconombank, ou VEB, um banco estatal que atua como agente de pagamento para o governo russo, e oito empresas de armas.

O Departamento do Tesouro dos EUA, que publicou as sanções na sua página na Internet, disse que as medidas efetivamente suspenderam o financiamento em dólares a médio e longo prazos para os dois bancos e empresas de energia. Mas as sanções não congelam os bens dessas quatro companhias.

As sanções não incluíram a Gazprom, maior produtora de gás natural do mundo e fornecedora de grande parte da energia da Europa. A Gazprom detém 36 por cento do Gazprombank.

"Estas sanções são significativas, mas também são destinadas e projetadas a ter o máximo impacto sobre a Rússia, mas ao mesmo tempo limitar qualquer impacto que possam causar em empresas norte-americanas ou de nossos aliados", disse Obama a jornalistas.

As novas medidas foram anunciadas no mesmo dia em que os líderes da União Europeia reuniram-se em Bruxelas e concordaram em ampliar as suas próprias sanções à Rússia.

As novas sanções dos EUA também incluem a Feodosiya Enterprises, uma empresa de transporte na Crimeia, além de autoridades russas, várias das quais já haviam sido punidas pela União Europeia.   Continuação...

 
Presidente dos EUA, Barack Obama, em pronunciamento na Casa Branca. 16/07/2014        REUTERS/Larry Downing