16 de Julho de 2014 / às 23:00 / em 3 anos

EUA ampliam sanções contra a Rússia por crise na Ucrânia

Presidente dos EUA, Barack Obama, em pronunciamento na Casa Branca. 16/07/2014 REUTERS/Larry Downing

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta quarta-feira as sanções mais duras até agora contra a economia russa, mirando importantes empresas como a Gazprombank e a Rosneft Oil, bem como outras companhias de energia e defesa.

Washington tem aumentado constantemente as sanções financeiras contra a Rússia pelo que considera ser uma interferência de Moscou na vizinha Ucrânia e a anexação da Crimeia. Obama disse que os EUA poderiam impor novas punições se a Rússia não tomar medidas concretas para atenuar o conflito.

O presidente russo, Vladimir Putin, que está em visita ao Brasil, disse em Brasília que precisava ver os detalhes das sanções para avaliar o que significam. Ele afirmou ainda que as sanções normalmente têm efeito bumerangue e que levarão as relações bilaterais a um beco sem saída.

As empresas atingidas pelas sanções também incluem a segunda maior produtora de gás da Rússia, a Novatek, a Vnesheconombank, ou VEB, um banco estatal que atua como agente de pagamento para o governo russo, e oito empresas de armas.

O Departamento do Tesouro dos EUA, que publicou as sanções na sua página na Internet, disse que as medidas efetivamente suspenderam o financiamento em dólares a médio e longo prazos para os dois bancos e empresas de energia. Mas as sanções não congelam os bens dessas quatro companhias.

As sanções não incluíram a Gazprom, maior produtora de gás natural do mundo e fornecedora de grande parte da energia da Europa. A Gazprom detém 36 por cento do Gazprombank.

“Estas sanções são significativas, mas também são destinadas e projetadas a ter o máximo impacto sobre a Rússia, mas ao mesmo tempo limitar qualquer impacto que possam causar em empresas norte-americanas ou de nossos aliados”, disse Obama a jornalistas.

As novas medidas foram anunciadas no mesmo dia em que os líderes da União Europeia reuniram-se em Bruxelas e concordaram em ampliar as suas próprias sanções à Rússia.

As novas sanções dos EUA também incluem a Feodosiya Enterprises, uma empresa de transporte na Crimeia, além de autoridades russas, várias das quais já haviam sido punidas pela União Europeia.

As autoridades afetadas pelas sanções incluem o vice-presidente da Duma, ou o Parlamento russo, o ministro para assuntos da Crimeia, um comandante da agência de inteligência russa e um líder separatista ucraniano.

“Enfatizamos a nossa preferência para resolver esse problema diplomaticamente”, disse Obama. “Temos que ver ações concretas, e não apenas palavras, de que a Rússia, de fato, tem o compromisso de tentar acabar com este conflito.”

Ele disse que a Rússia continuou a apoiar os separatistas no leste da Ucrânia, enviando combatentes e armas através da fronteira.

Nas últimas semanas, Obama vinha ameaçando repetidamente a impor novas sanções e pareceu ter perdido a paciência à medida que os combates continuam no leste da Ucrânia.

Por Anna Yukhananov, Steve Holland e Jeff Mason; com reportagem adicional de Phil Stewart e Patricia Zengerle, em Washington; Adrian Croft, em Bruxelas; Anthony Boadle, em Brasília; e Josephine Mason, em Nova York

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below