Itália prende 5 por assassinato em massa durante travessia de imigrantes

terça-feira, 22 de julho de 2014 13:40 BRT
 

Por Steve Scherer

ROMA (Reuters) - A polícia italiana prendeu cinco homens nesta terça-feira por suspeita de assassinar e jogar ao mar dezenas de imigrantes que tentavam chegar ao país vindo da Líbia. Outros três foram acusados ​​de tráfico de imigrantes.

Sobreviventes disseram à polícia que uma luta de vida ou morte eclodiu quando as pessoas que estavam alojadas no porão, sufocando de calor e com a falta de oxigênio, tentaram desesperadamente encontrar espaço no convés lotado.

Para manter os imigrantes na parte debaixo do convés, os cinco homens esfaquearam e atacaram indiscriminadamente cerca de 60 de seus companheiros imigrantes e depois os jogaram ao mar, segundo a polícia. Em seguida, ameaçaram os outros para que não reagissem, do contrário teriam o mesmo fim.

Vinte e nove corpos foram mais tarde recuperados no porão do que tinha sido um precário barco de pesca superlotado. Outro passageiro morreu a caminho de um hospital italiano, provavelmente por envenenamento com monóxido de carbono, disse a Marinha no fim de semana.

Os corpos dos imigrantes jogados ao mar não foram encontrados, informou a força naval.

Um total de 561 imigrantes no barco foram resgatados e levados para a cidade siciliana de Messina, no domingo. De acordo com alguns dos imigrantes, as pessoas pagaram aos traficantes entre 1.000 e 2.000 dólares por um lugar no convés e entre 200 e 500, no porão.

O excesso de calor e fumaça do motor levou os que estavam no porão a tentar sair. Quando foram empurrados para trás e a escada para o convés removida e o acesso fechado, eles se revoltaram, disse a polícia.

"Em questão de minutos, o calor se tornou insuportável e o ar era irrespirável por causa da fumaça do motor", disse um comunicado da polícia. "O desespero levou os prisioneiros a forçar a abertura da porta e a subir na plataforma, onde a tragédia ocorreu."   Continuação...

 
Policial coloca corpo de imigrante em saco perto de barco de pesca. 20/06/2014. 
REUTERS/Darrin Zammit Lupi