Destroços de avião argelino com 116 a bordo são encontrados no Mali

quinta-feira, 24 de julho de 2014 22:28 BRT
 

Por Hamid Ould Ahmed

ARGEL (Reuters) - Autoridades disseram nesta quinta-feira que localizaram os destroços de um avião da Air Algérie que caiu no norte do Mali com 116 passageiros e tripulantes a bordo, quase a metade deles franceses, depois de partir de Burkina Fasso para a Argélia.

Autoridades da aviação regional disseram que perderam o contato com o voo AH5017 por volta de 1h55 de quinta-feira (noite de quarta-feira em Brasília), menos de uma hora depois da decolagem, após um pedido do piloto para mudar de rota devido ao mau tempo.

Aviões de guerra da França e helicópteros da Organização das Nações Unidas (ONU) fizeram uma busca de aproximadamente quatro horas pelos destroços do avião McDonnell Douglas MD-83 no remoto norte do Mali, uma região conturbada com militantes islâmicos e combatentes separatistas tuaregues.

A TV estatal do Mali disse que os destroços do avião foram descobertos entre a cidade de Gossi e a fronteira de Burkina Fasso, acrescentando que o presidente do país, Ibrahima Boubacar Keita, deve visitar o local da queda na sexta-feira.

O general Gilbert Diendere, membro da unidade de crises de Burkina Fasso, afirmou que a sua equipe de investigadores já inspecionou os destroços perto do vilarejo de Boulikessi, a 50 quilômetros da fronteira.

"Essa equipe confirmou que viu os restos do avião, totalmente queimados e espalhados no chão", Diendere disse à TV local, acrescentando que corpos das vítimas também foram avistados.

"Infelizmente, a equipe não encontrou ninguém no local. Não viu sobreviventes."

O ministro da Comunicação, Alain Edouard Traore, disse que o acidente foi o pior da história da aviação de Burkina Fasso. O presidente, Blaise Compaoré, declarou dois dias de luto nacional, a partir de sexta-feira.   Continuação...

 
O presidente francês, François Hollande, fala à imprensa após reunião com membros do governo no Palácio do Eliseu, em Paris, na França, nesta quinta-feira. 24/07/2014 REUTERS/Benoit Tessier