Bovespa recua 1,5% com aumento de incerteza eleitoral; Petrobras cai 5%

quarta-feira, 13 de agosto de 2014 20:56 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - Incertezas sobre o cenário eleitoral após a morte do candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, minaram o humor na bolsa brasileira nesta quarta-feira, com forte queda nas ações da Petrobras à tarde definindo o fechamento negativo do principal índice do pregão paulista.

Um intenso noticiário corporativo e os vencimentos de opções sobre o Ibovespa e do índice futuro também influenciaram a dinâmica da sessão.

O Ibovespa terminou em baixa de 1,53 por cento, a 55.581 pontos. O volume financeiro somou 15,5 bilhões de reais, inflado pelo vencimento dos contratos de opção sobre o índice.

"O mercado está bastante frágil. Isso adiciona muita incerteza ao cenário eleitoral, muda completamente as expectativas da eleição. A discussão agora é sobre o que vai acontecer, e há varias opiniões divergentes circulando", observou o gestor da Canepa Asset Management, Eduardo Roche.

Campos morreu em um acidente de avião na manhã desta quarta-feira em Santos, no litoral de São Paulo, onde cumpriria agenda de campanha. A candidata à vice na chapa do PSB à Presidência, a ex-senadora Marina Silva, não estava no avião.

Thiago Aragão, sócio e diretor de estratégia na consultoria Arko Advice, disse que ainda é cedo para fazer um prognóstico muito elaborado, mas, para ele, tudo indica que Marina será a candidata do PSB. E isso, na visão dele, corrobora a chance de um segundo turno, beneficiando Aécio Neves.

Já o cientista Luciano Dias, da CAC Consultora, vê uma probabilidade de Marina ir para um segundo turno, estatisticamente, maior em relaçào a Aécio, umas vez que a ela teve patamares de votos que tucano nunca teve.

“E a Marina também tem o potencial de conquistar votos que são hoje da Dilma”, disse em teleconferência promovida pelo Itaú BBA.   Continuação...