Reunião na 4ª deve definir candidatura do PSB, Marina é favorita

sexta-feira, 15 de agosto de 2014 17:33 BRT
 

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - A definição da candidatura à Presidência da República pela coligação liderada pelo PSB deve ser tomada em uma reunião na próxima quarta-feira, disse o presidente do PPS, deputado federal Roberto Freire (SP).

A data prevista será exatamente uma semana após a morte do candidato do PSB à Presidência, Eduardo Campos, em um acidente aéreo em Santos, no litoral paulista. Outras seis pessoas morreram na tragédia.

Freire, cujo partido é um dos seis da coligação Unidos pelo Brasil, capitaneada pelo PSB, disse que o consenso que está sendo construído pelos integrantes da coligação tem apontado para que a candidata a vice, a ex-senadora Marina Silva, seja alçada à cabeça da chapa.

"Parece que caminha para um consenso a candidatura da Marina em substituição a Eduardo. Já tem uma reunião marcada para o próximo dia 20", disse Freire à Reuters, acrescentando que a data pode ser antecipada e que ainda não há local definido para o encontro.

A coligação tem até o dia 23 para definir um substituto para Campos ou desistir da disputa, possibilidade que parece cada vez mais improvável. Outro prazo que pode estar sendo levado em conta pelo PSB e pelas siglas aliadas é o início do horário eleitoral obrigatório no rádio e na TV, marcado para a próxima terça-feira.

O senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) também disse que Marina é a candidata natural para encabeçar a chapa, mas afirmou que qualquer decisão só deve ser tomado após o sepultamento de Campos, em Recife.

Rollemberg disse que a expectativa é de que o corpo do ex-governador seja liberado pelo Instituto Médico Legal de São Paulo na manhã de sábado e que o enterro aconteça no domingo.

“Nós estamos neste momento envidando todos os esforços no sentido de liberar o corpo o mais rápido possível”, disse ele à Reuters.   Continuação...

 
Um cartaz de campanha do candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) com a candidata a vice Marina Silva com uma faixa preta de luto em Recife, após a morte de Campos em um acidente aéreo. 14/8/2014 REUTERS/Ricardo Moraes