Dólar cai ante real com dados mistos dos EUA, apesar de Ucrânia

sexta-feira, 15 de agosto de 2014 17:27 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em leve queda ante o real nesta sexta-feira, reagindo à nova rodada de números mistos sobre a economia dos Estados Unidos, que reforçou a percepção de que o Federal Reserve, banco central norte-americano, não deve aumentar os juros tão cedo.

Tensões renovadas entre a Rússia e a Ucrânia chegaram a fazer a moeda norte-americana subir ante o real durante a tarde, mas o movimento perdeu força nas últimas horas do pregão.

O dólar recuou 0,24 por cento, a 2,2640 reais na venda, após chegar a 2,2568 reais na mínima e 2,2776 reais na máxima da sessão. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 800 milhões de dólares.

"Os últimos dados dos EUA não têm sido tão animadores quanto parte do mercado esperava", disse o gerente de operações do Banco Confidence, Felipe Pellegrini. "Para o Fed, isso significa que ele pode ser mais cauteloso quando for decidir quando subir juros".

Entre os indicadores desta sessão, destacaram-se a alta menor do que a esperada do índice "Empire State", do Fed de Nova York, e o resultado aquém das expectativas da confiança do consumidor norte-americano.

Outros dados mostraram desempenho melhor, como a produção industrial, mas operadores afirmaram que a inconsistência dos números divulgados levou o mercado a adotar uma postura cautelosa. Segundo pesquisa da Reuters, a primeira alta dos juros nos EUA deve vir no segundo trimestre do ano que vem.

No fim da manhã, a aversão global ao risco cresceu depois que a Ucrânia afirmou ter destruído parte de uma coluna de blindados russos em seu território. A crise na região tem motivado sanções mútuas dos Estados Unidos e da União Europeia contra a a Rússia.

A notícia chegou a colocar o dólar no território positivo durante a tarde, mas o movimento não se sustentou. Segundo analistas, a queda dos rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA, que levou os papéis às mínimas em mais de um ano, contribuiu para reduzir a alta do dólar nas últimas horas da sessão.   Continuação...