Demissões começam a ganhar força no Brasil às vésperas da eleição

sexta-feira, 22 de agosto de 2014 18:23 BRT
 

Por Brad Haynes e Silvio Cascione

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - Grandes empresas no Brasil estão demitindo funcionários por causa do pessimismo com a economia, incluindo varejistas e montadoras de veículos, em um desafio para a campanha de Dilma Rousseff à reeleição.

As demissões não são novidade na indústria. Desde o ano passado, postos de trabalho têm sido cortados em vários setores, desde o têxtil até a siderurgia, por causa do fraco crescimento econômico, da inflação alta e do dólar baixo.

Mas agora as demissões já alcançam setores como o comércio, construção e indústria de alimentos, que estiveram entre os maiores geradores de emprego ao longo da década passada e são menos expostos à economia internacional.

O varejo, sozinho, perdeu mais de 78 mil empregos em termos líquidos nos sete primeiros meses do ano. Nos três anos anteriores, gerou-se em média 41 mil empregos no mesmo período, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho.

As montadoras de veículos, que estiveram entre as que mais ganharam com o forte crescimento do Brasil na década passada, também têm demitido milhares com a queda da produção.

Evandro Dias, de 27 anos, é um dos que perdeu o emprego nas últimas semanas. Ele trabalhava em uma loja de eletrônicos.

“As vendas antes da Copa foram ruins, mas todo mundo esperava uma melhora. Só que ficou pior ainda. Por isso estou aqui”, disse Dias enquanto homologava sua demissão em um sindicato de São Paulo.

De todo modo, o emprego ainda é a grande força da economia brasileira. O mercado de trabalho escapou das crises globais recentes e gerou mais de 15 milhões de vagas desde 2004, a maioria das quais continua intacta.   Continuação...

 
Pessoas observam ofertas de emprego no centro de São Paulo em 13 de agosto.  REUTERS/Paulo Whitaker