Marina aposta em discurso de união e quer diálogo com outros partidos

terça-feira, 26 de agosto de 2014 16:07 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, aproveitou o programa de rádio e TV nesta terça-feira para reforçar seu discurso de que o país precisa de união e que pretende dialogar com outros partidos.

O discurso cada vez mais forte na campanha serve, por um lado, como um contraponto à polarização entre PT e PSDB, siglas que comandaram o país nos últimos 20 anos.

Mas as declarações de que ela buscará outras legendas e que há pessoas qualificadas em outros partidos funcionam ainda como uma sinalização para obter apoio para um eventual governo, se eleita.

"É preciso uma mudança na política, na relação com o Congresso (Nacional), e com a sociedade. Nós vamos chamar pessoas honestas e competentes. Vamos dialogar com os partidos", disse Marina no programa eleitoral desta tarde.

Segundo o coordenador-geral adjunto da campanha, Walter Feldman, o argumento --que inclui o reconhecimento de avanços obtidos tanto pela gestão tucana quanto pela petista-- estará cada vez mais presente, inclusive no debate da TV Bandeirantes previsto para a noite desta terça.

"Se não tivermos um governo que reforce a unidade das forças, e que não reconheça os avanços na questão social, na questão econômica, o país vai desandar", disse Feldman à Reuters, por telefone.

"É momento de ter uma unidade nacional e esse processo não pode ser conduzido pelo PT nem pelo PSDB. Eles não se aceitam", afirmou, acrescentando, no entanto, que há pessoas nesses e em outros partidos "dispostos a contribuir" para o avanço do país.

"PROPAGANDA CINEMATOGRÁFICA"   Continuação...

 
Candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, e o candiato a vice, Beto Albuquerque, no anúncio oficial da candidatura em Brasília. 20/8/2014. REUTERS/Ueslei Marcelino