Quase 2 mil imigrantes morreram a caminho da Europa neste ano, alerta ONU

terça-feira, 26 de agosto de 2014 19:57 BRT
 

Por Robert Evans

GENEBRA Suíça (Reuters) - Cerca de 2 mil pessoas que fugiam da África e do Oriente Médio morreram afogadas no Mar Mediterrâneo neste ano, a maioria delas nos últimos três meses, enquanto tentavam chegar à Europa a partir da Líbia, afirmou o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) nesta terça-feira.

"No total, acreditamos que 1.889 morreram neste ano enquanto faziam essa travessia, sendo 1.600 delas desde o início de junho", afirmou a porta-voz do Acnur, Melissa Fleming, em um pronunciamento à imprensa.

Mais cedo nesta terça-feira, a Marinha italiana disse ter resgatado 364 imigrantes em uma missão de dois dias depois que o barco de pesca no qual viajavam afundou na costa da Líbia. Foram recuperados 24 corpos daqueles que se afogaram.

Os violentos conflitos políticos na Líbia, que sempre foi um ponto de saída de imigrantes para Europa pelo mar, têm exacerbado o problema, afirmou a agência sediada em Genebra, na Suíça.

A piora na situação da segurança da Líbia "aumentou o número de operações de tráfico de pessoas e também levou os refugiados e imigrantes que moram lá a se arriscar pelo mar em vez de ficar em uma zona de conflito", afirmou o Acnur.

O número de vítimas informado pelo Acnur inclui mais de 300 pessoas que morreram em três incidentes distintos desde 22 de agosto, quando barcos naufragaram na costa líbia.

Um total de 124.380 pessoas, muitas delas fugindo da guerra, violência e perseguição, segundo a agência, desembarcaram na Europa desde janeiro, muitas depois de terem sido resgatadas por uma operação da Marinha e da guarda costeira da Itália chamada "Mare Nostrum", ou "Nosso Mar".

A Itália abriga hoje 108 mil imigrantes que chegaram por barco, número muito maior do que o de qualquer outro país na região. A Grécia tem cerca de 15 mil, enquanto 1.800 estão na Espanha e um pouco mais de 300 em Malta.   Continuação...

 
Caixões com os corpos de imigrantes que morreram afogados enquanto tentavam chegar à Europa são vistos em barco da Marinha em Augusta, na Sicília, Itália, nesta terça-feira. 26/08/2014  REUTERS/Antonio Parrinello