Dólar fecha quase estável ante real, mas cai 1,4% em agosto

sexta-feira, 29 de agosto de 2014 17:28 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou praticamente estável ante o real nesta sexta-feira, perto do menor nível em um mês, com investidores avaliando que a notícia de que a economia brasileira entrou em recessão pode diminuir as chances de reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT).

A cena eleitoral deve continuar sendo o principal determinante do mercado de câmbio no próximo mês. Segundo analistas, se as expectativas de mudança no governo continuarem crescendo, a tendência é de que a moeda norte-americana volte a se aproximar do nível de 2,20 reais.

A divisa dos Estados Unidos fechou a sexta-feira com oscilação negativa de 0,01 por cento, a 2,2390 reais na venda. Em agosto, recuou 1,36 por cento. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro ficou em torno de 1,8 bilhão de dólares.

"Muita coisa depende do que o mercado acha que vai acontecer nos próximos quatro anos. E o que temos visto nessas últimas semanas é uma espécie de euforia", afirmou o estrategista da Fator Corretora, Paulo Gala.

A economia brasileira encolheu 0,6 por cento no segundo trimestre e 0,2 por cento no primeiro trimestre de 2014 na comparação com os períodos imediatamente anteriores, entrando em recessão técnica pela primeira vez em cinco anos.

O número vem no momento em que pesquisas de intenção de voto mostram que a ex-senadora Marina Silva (PSB) derrotaria em segundo turno a atual presidente e candidata a reeleição, criticada por investidores pela condução da política econômica.

"Essa recessão deve reforçar ainda mais o sentimento de que é necessária uma mudança no governo", afirmou o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Segundo analistas, a menor pressão sobre o dólar pode abrir espaço para que o Banco Central diminua o ritmo de rolagens de swap cambial, derivativos ofertados diariamente pela autoridade monetária para conter a desvalorização do real.   Continuação...