Marina desmistifica temores em jantar com agronegógio

sábado, 30 de agosto de 2014 15:07 BRT
 

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, desmistificou na noite de sexta-feira, em jantar com cerca de 50 empresários e representantes das principais cadeias produtivas do agronegócio, os maiores temores que agricultores e agroindústrias poderiam ter em relação ao seu passado de ambientalista radical.

Ela mostrou ainda sua “visão pragmática”, sua capacidade de dialogar e apresentou informações de seu programa de governo alinhadas com o que o setor esperava, segundo relatou à Reuters o diretor-executivo da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Luiz Cornacchioni, que participou do jantar.

O evento, no qual também esteve presente o vice de Marina, Beto Albuquerque, foi promovido pelo respeitado consultor da indústria de açúcar e etanol, Plinio Nastari, da Datagro.

O encontro, que reuniu representantes das principais commodities agrícolas, como soja, cana e milho, além de pecuaristas, integrantes das indústrias das carnes, de florestas plantadas, biodiesel e até mesmo bancos de investimentos ligados ao agribusiness, serviu para eliminar algumas ressalvas que existiam de parte do segmento do agronegócio em relação à candidata.

“Acho que muitos pontos foram desmistificados, tem muita coisa que é mito. Pelo que vi lá, pelo que pude perceber, vários mitos foram quebrados”, avaliou Cornacchioni.

Tais mitos, que incluiriam por exemplo uma posição contra o plantio de produtos agrícolas transgênicos, hoje usados amplamente pelos produtores brasileiros, foram eliminados por uma Marina com boa capacidade de conversar com um setor que responde por quase um quarto do PIB do Brasil e por cerca de 100 bilhões de dólares em exportações anuais, disse Cornacchioni.

“Ela se mostrou uma pessoa que está aberta para o diálogo e que sabe da importância do agronegócio na agenda de sustentabilidade e na agenda do país. Eu saí de lá com uma sensação muito positiva”, disse o representante da Abag, associação que congrega desde as principais multinacionais do agronegócio, empresas agrícolas listadas na Bovespa, bancos, e até associações como a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica).

A posição no jantar, que teve ainda a presença de Beto Albuquerque, vice na chapa de Marina, confirmou impressão de importantes representantes do setor do agronegócio antecipada em reportagem da Reuters, pouco antes de Marina ser oficializada como candidata do PSB.   Continuação...