3 de Setembro de 2014 / às 00:22 / em 3 anos

Marina rebate ataque de Dilma na TV e lembra inexperiência eleitoral da presidente

SÃO PAULO (Reuters) - A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, lembrou a inexperiência eleitoral da presidente Dilma Rousseff há quatro anos ao rebater os ataques feitos a ela pela campanha da petista no programa eleitoral na TV, nesta terça-feira.

Candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva, durante sabatina no portal do jornal O Estado de S. Paulo. REUTERS/Nacho Doce

A campanha de Dilma, que busca a reeleição, lembrou que a atual base política de Marina no Congresso tem somente 33 deputados e, mencionando o número de votos necessários para aprovar leis no Congresso, a comparou aos ex-presidentes Jânio Quadros e Fernando Collor de Mello, que não terminaram seus mandatos.

“A sociedade brasileira me conhece, conhece os valores que eu defendo, a luta que eu tenho há mais de 30 anos. Eu comecei como vereadora, comecei como deputada, fui senadora por 16 anos, ministra do Meio Ambiente”, disse Marina em sabatina no portal do jornal O Estado de S. Paulo na Internet.

“Imagina se eu dissesse que uma pessoa que nunca foi eleita nem vereadora, se eleita presidente do Brasil, aí sim, poderia parecer Collor de Mello”, disparou a candidata do PSB.

Durante a sabatina, Marina reiterou o compromisso com a formalização da autonomia do Banco Central e disse que a institucionalização dessa autonomia se faz necessária para restaurar a credibilidade perdida na economia brasileira.

A ex-senadora negou ainda que vá reduzir os investimentos na exploração do petróleo na camada pré-sal. “Muito pelo contrário”, garantiu.

Marina também negou que vá diminuir o papel desempenhado atualmente pelos bancos públicos, mas que vai promover o “não uso político” dessas instituições. Disse ainda que, num eventual governo seu, os licenciamentos ambientais para obras de infraestrutura ganharão em qualidade e em velocidade.

Ela disse que no programa de governo que defende “há a determinação” de reduzir o número de ministérios, atualmente em 39, e afirmou que a Rede Sustentabilidade, partido que tentou criar sem sucesso no ano passado, já é uma realidade e que será formalizada.

MELHOR LULA E FHC QUE RENAN

Ela também voltou a dizer que, se eleita, governará com os bons e citou os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva.

“Conversar com Fernando Henrique, conversar com Lula é com certeza muito melhor do que conversar com Antonio Carlos Magalhães, conversar com Sarney, conversar com Maluf, conversar com Renan Calheiros”, disse.

Indagada se estaria disposta a conversar com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), caso ele se eleja novamente presidente do Senado, ela disse que “quem for eleito será aquele com que nós conversaremos”.

Marina disse que não é nem pessimista nem otimista em relação ao Congresso, mas que é “persistente” e afirmou que, quando ministra do Meio Ambiente, foi ao Congresso para negociar a aprovação de projetos patrocinados pela pasta.

A candidata do PSB aproveitou para cutucar seus dois principais rivais, o tucano Aécio Neves além de Dilma, por ainda não terem lançado seus programas de governo, o que Marina fez na última sexta-feira.

“Eu fico muito feliz porque nós apresentamos o nosso programa e, de repente, todo mundo está debatendo o nosso programa. Que bom que a Dilma, o Aécio e os demais que ainda não apresentaram o seu programa estão lendo o nosso e espero que isso sirva de inspiração para que também apresentem o seu programa antes do final da campanha.”

Reportagem de Eduardo Simões

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below