"Maldades" na economia já foram feitas pelo governo atual, diz Aécio

quarta-feira, 3 de setembro de 2014 09:39 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, disse nesta quarta-feira que todas as maldades na economia já foram feitas pelo governo da presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição.

A declaração foi dada pelo tucano em entrevista à rádio CBN quando questionado se seriam necessários sacrifícios, como medidas de redução do emprego, para corrigir o panorama econômico atual, de recessão técnica e inflação elevada.

"Não há espaço para maldades, elas já foram todas feitas por esse governo", disse o tucano, que criticou o que chamou de "trapalhadas" do governo Dilma na política econômica.

"Grande parte do que aconteceu no Brasil hoje, que nos trouxe esse quadro de inflação no teto da meta e crescimento extremamente baixo é responsabilidade de um governo que interveio de forma absolutamente irresponsável em diversos setores da economia e afugentou os investimentos."

Aécio disse que só a eleição dele, que como já anunciado pelo candidato levará o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga ao comando do Ministério da Fazenda, bastará para provocar uma "sinalização" que dará confiança e criará "um ambiente de absoluta tranquilidade" na economia.

Sobre a atual disputa presidencial -em que aparece em uma distante terceira posição nas pesquisas de intenção de voto atrás de Dilma e da candidata do PSB, Marina Silva, que dividem a liderança- Aécio voltou a expressar confiança.

"Eu tenho que acreditar que vai prevalecer a razão, se prevalecer a razão, nós vamos vencer as eleições", afirmou.

O tucano voltou a afirmar que a candidatura de Marina "traz um conjunto de contradições muito grandes".

Ele lembrou, mais uma vez, que a candidata do PSB, que hoje defende o tripé macroeconômico -metas de inflação, responsabilidade fiscal e câmbio flutuante- foi por muitos anos do PT, partido que foi contra o Plano Real, no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).   Continuação...

 
Candidato à Presidência Aécio Neves (PSDB) em debate no SBT, em São Paulo. 01/09/2014 REUTERS/Paulo Whitaker