Sob pesada artilharia, Marina tenta atravessar reta final sem cometer erros

sexta-feira, 5 de setembro de 2014 13:06 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro e Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - Na alça de mira dos principais adversários na corrida presidencial, a candidata do PSB, Marina Silva, não poderá cometer erros e vai precisar controlar o clima de "já ganhou" para confirmar o favoritismo apontado nas pesquisas.

A tarefa não será nada fácil considerando o poder de fogo da presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, e de Aécio Neves (PSDB), além do fato de Marina ter se tornado candidata a presidente há pouco mais de três semanas.

A ex-senadora era candidata a vice e passou a encabeçar a chapa após a morte de Eduardo Campos em um acidente aéreo, no dia 13 de agosto. Todos os acordos estaduais, a estrutura e estratégia de campanha tinham sido construídos por ele.

Marina teve que refazer a estratégia, costurar mudanças na estrutura da campanha e ainda cumprir uma agenda pesada de entrevistas e debates.

Nessa maratona, a candidata já cometeu erros, como a polêmica com a mudança em posições divulgadas no programa de governo, e suportou pequenas crises, como a saída intempestiva do coordenador-geral da campanha de Campos, Carlos Siqueira, no dia em que Marina foi oficializada nova candidata do PSB.

Nenhum desses problemas, entretanto, teve efeito sobre o eleitorado que tem se identificado com sua defesa da "nova política". Em pouco tempo, Marina deu um enorme salto nas pesquisas e passou a dividir a liderança das intenções de voto para o primeiro turno com Dilma e a derrotar a presidente em simulações de uma segunda rodada de votação.

Cientes de que os adversários não se conformarão com o atual cenário de favoritismo de Marina, seus aliados têm duas metas bem claras para essa reta final: não cometer mais erros e evitar que a empolgação com as pesquisas resulte no "já ganhou".

"O 'já ganhou' é primo-irmão do 'já perdeu'. Não podemos cair nessa", disse à Reuters o candidato a vice-presidente na chapa, deputado Beto Albuquerque (RS).   Continuação...

 
Marina Silva faz campanha na Rocinha, no Rio de Janeiro. 30/08/2014 REUTERS/Ricardo Moraes