Lula vê eleição atual como mais difícil da história do PT e pede mobilização por Dilma

sexta-feira, 5 de setembro de 2014 22:34 BRT
 

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira que a eleição atual é a mais difícil da história do PT desde a fundação do partido em 1980 e pediu que a militância petista se mobilize para impulsionar a presidente Dilma Rousseff em São Paulo.

Em discurso durante plenária do PT para mobilizar a tropa nos últimos 30 dias antes da eleição, Lula disse ser "uma questão de honra para nós" que Dilma vença Marina no Estado. As últimas pesquisas mostraram a presidente bem atrás da candidata do PSB em terras paulistas.

O ex-presidente também disse que não tem "divergências pessoais" com Marina, que foi sua ministra de Meio Ambiente, mas cutucou o programa de governo da adversária.

"Não existe do ponto de vista sociólogico... nenhuma explicação para a Dilma estar perdendo a eleição aqui em São Paulo", disse Lula, que avaliou que ainda levará muito tempo para que sociólogos e especialistas entendam o "fenômeno" que aconteceu na disputa presidencial deste ano após a morte de Eduardo Campos, que era o candidato do PSB ao Planalto.

"Falta discutir política... nós precisamos debater", pediu ele aos militantes.

Lula, que disse estar "destrinchando" o programa de governo apresentado por Marina no fim de agosto, fez críticas às propostas defendidas por sua ex-ministra e disse ter dúvidas se ela tinha lido o programa.

"Eu sinceramente não sei se a companheira Marina leu o programa que fizeram para ela", disparou. "Se ela leu, ela não aprendeu nada com as discussões que nós tivemos", emendou,

Os principais pontos do programa marineiro criticados por Lula foram a defesa da redução do papel dos bancos públicos, a intenção, segundo ele, de Marina reduzir investimentos no pré-sal e a defesa da institucionalização da autonomia do Banco Central.   Continuação...

 
Lula e Dilma durante comício em São Bernardo do Campo, em 2 de setembro.  REUTERS/Paulo Whitaker