Marina diz ser alvo de "muitas pedras" e rebate críticas sobre BC e bancos

terça-feira, 9 de setembro de 2014 21:50 BRT
 

(Reuters) - A candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, disse nesta terça-feira ser vítima de um ataque de "muitas pedras" de "mentiras e boatos" dos seus adversários, e rebateu as críticas de que sua proposta de dar autonomia legal ao Banco Central representaria mais poder aos bancos.

"(Isso) faz parte de mais uma onda de calúnias a boatos que estão sendo feitas pelos nossos adversários pelo medo e desespero", afirmou Marina a jornalistas em Belo Horizonte, após um comício.

Marina disse que ela e seu candidato a vice-presidente, Beto Albuquerque, não irão apelar para "agressões pessoais".

"Eles (os adversários) que estão atirando as muitas e muitas pedras, são eles que marcham num exército de Golias contra Davi", disse. "Minha atitude é de oferecer a outra face. Para a face da mentira, a verdade, para a face do medo, a coragem."

Para rebater as críticas de que sua proposta de autonomia do BC tem relação com maior poder aos bancos, Marina disse que no governo Fernando Henrique Cardoso os bancos lucraram e que na gestão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva os lucros aumentaram muito mais.

"O próprio presidente Lula é que vai falar, porque foi ele quem disse que não tem nenhum lugar do mundo em que o (banco) Santander esteja ganhando mais que no Brasil", argumentou Marina numa resposta contra o ex-presidente, a quem tinha poupado das críticas diretas até então. "Ele mesmo é que está sendo pego pelas suas próprias palavras."

Segundo a candidata, o compromisso do seu eventual governo será com a recuperação da credibilidade do país, "para que ele possa ter investimentos e volte a crescer", disse.

"Porque é no governo do PT que os juros sobem, o crescimento cai e a inflação atormenta novamente os trabalhadores", disse.

"Tenho certeza que a sociedade brasileira não vai querer eleger um presidente que tenha ganho uma eleição com base na mentira, na calúnia e no boato", acrescentou.   Continuação...

 
Marina Silva fala em ato de campanha em São Paulo na segunda-feira.  REUTERS/Bruno Santos