Dilma diz que economia vai melhorar e volta a criticar adversários

quarta-feira, 10 de setembro de 2014 16:50 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff disse nesta quarta-feira estar certa de que a economia brasileira vai melhorar, apesar de passar por um momento de desaceleração, repetiu que o país enfrenta uma crise internacional e voltou a criticar adversários que defendem a autonomia legal do Banco Central.

Falando a jornalistas no Palácio da Alvorada, Dilma disse que não é possível se comportar como se não existisse uma crise internacional e enalteceu a situação do mercado de trabalho no Brasil em comparação ao alto desemprego em outros países.

"Eu asseguro para vocês que esse povo da autonomia do Banco Central quer o modelo anterior, quer fazer um baita ajuste, um baita superávit primário, aumentar o juro para danar, reduzir emprego e reduzir salário", disse a presidente candidata.

""A mim me parece que o que estão querendo aplicar aqui não está dando certo no mundo, que é uma política recessiva aberta. Nós seguramos essa crise mantendo o investimento", acrescentou a presidente.

A presidenciável do PSB, Marina Silva, defende a institucionalização da autonomia do BC e disse nesta manhã em São Paulo que seu objetivo com isso é recuperar a credibilidade da política econômica do governo e preservar empregos. [nL1N0RB1K2]

Dilma também buscou minimizar a decisão anunciada na véspera pela agência de classificação de risco Moody's, que revisou de neutra para negativa a perspectiva da nota de crédito do Brasil.

"A Moody's disse o seguinte, que daqui a 12, 18 meses ela reavalia. Ela fez um viés", disse.

(Reportagem de Jeferson Ribeiro)

 
Presidente Dilma Rousseff fala com imprensa no Palácio da Alvorada, em Brasília.  8/9/ 2014. REUTERS/Ueslei Marcelino