CPI marca para dia 17 audiência de ex-diretor da Petrobras e pede cópia de depoimento à PF

quarta-feira, 10 de setembro de 2014 19:12 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - Parlamentares que integram a CPI mista da Petrobras decidiram nesta quarta-feira marcar depoimento do ex-diretor da estatal Paulo Roberto Costa para o próximo dia 17 e pedir, por várias vias jurídicas, cópia das declarações que ele fez à Polícia Federal.

O presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse a jornalistas que já encaminhou ofícios para à Justiça Federal do Paraná e ao ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, pedindo cópia do depoimento de Costa, mesmo antes da sua conclusão.

Informações vazadas na dos depoimentos de Costa à Política Federal, mediante delação premiada, revelaram um suposto esquema de repasse de recursos a políticos e partidos da base aliada do governo. Costa está preso desde junho no Paraná devido a acusações decorrentes da operação Lava Jato da PF.

"Além disso, nós vamos pedir para fazer parte do processo (de investigação) como CPMI. Acreditamos que esse é um direito nosso", disse Rêgo.

Na tarde desta quarta, Zavascki liberou parte das informações da operação Lava Jato, que investiga um esquema de lavagem de dinheiro, respondendo à uma reclamação do Congresso. Mas, segundo uma fonte da CPMI, não há partes do depoimento de Costa nas informações compartilhadas.

A assessoria do STF disse ainda que as informações compartilhadas com a CPI mista dizem respeito apenas a um parlamentar, o deputado André Vargas (sem partido-SP), que é alvo de processo no Conselho de Ética da Câmara e também é citado nas investigações da operação Lava Jato.

Os membros da comissão discutiram durante a reunião essa possibilidade e mesmo sem ter certeza de que o pedido será atendido decidiram tentar ter acesso ao depoimento de Costa por essa via também.

Os parlamentares não sabem se o ex-diretor concluirá até semana que vem os depoimentos à PF, o que poderia comprometer sua ida ao Congresso.

Deputados e senadores acreditam ainda que se Costa for à audiência se manterá calado, por conta do acordo que firmou com a Justiça para apontar os envolvidos num suposto esquema de propinas e desvios de recursos da estatal.   Continuação...