Datafolha mostra empate técnico de Marina e Dilma no 1º e no 2º turnos

quarta-feira, 10 de setembro de 2014 21:27 BRT
 

(Reuters) - A nova pesquisa Datafolha mostrou empate técnico entre Dilma Rousseff (PT) e a candidata do PSB, Marina Silva, tanto no primeiro como no segundo turno da disputa presidencial, mas com vantagem numérica para a presidente na primeira rodada e para a ex-senadora na segunda.

A sondagem, divulgada nesta quarta-feira, mostrou estabilidade no cenário eleitoral, com uma única exceção: a simulação de segundo turno entre Dilma e Marina que agora mostra empate técnico, enquanto na semana passada indicava vitória da candidata da oposição.

Os números da pesquisa indicam que o recente vazamento das denúncias do ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa envolvendo políticos e partidos da base governista ainda não afetou as intenções de voto.

Mostram também que os ataques que Marina vem sofrendo de Dilma e do terceiro colocado, Aécio Neves (PSDB), não foram suficientes, pelo menos por ora, para fazer estragos significativos entre os eleitores da candidata do PSB.

O Datafolha mostrou Dilma com 36 por cento das intenções de voto no primeiro turno, ante 35 por cento na semana passada, enquanto Marina aparece com 33 por cento, ante 34 por cento. Aécio oscilou 1 ponto percentual para cima, a 15 por cento.

Nas simulações de segundo turno, Marina tem agora 47 por cento das intenções de voto contra 43 por cento de Dilma, no limite da margem de erro da pesquisa de 2 pontos percentuais. Na semana passada, a candidata do PSB aparecia na frente, com 48 a 41 por cento.

Num segundo cenário, Marina derrotaria Aécio por 54 a 30 por cento, vantagem um pouco menor do que os 56 a 28 por cento da semana passada. No terceiro cenário, Dilma venceria Aécio por 49 a 38 por cento, mesmo placar anterior.

Os demais candidatos mantiveram os mesmos 3 por cento de intenção de voto da sondagem anterior. Também seguiu inalterado o número dos que não sabem, 7 por cento, e dos que planejam votar em branco, ou anular o voto, 6 por cento.

A rejeição verificada entre os principais candidatos foi outro ponto que pouco se alterou: a de Dilma foi a 33 por cento (32 por cento na pesquisa anterior), a de Aécio passou a 23 por cento (21 por cento) e a de Marina foi a 18 por cento (16 por cento).   Continuação...

 
Marina e Dilma se cumprimentam ao lado de Aécio em debate na TV, em 26 de agosto.      REUTERS/Paulo Whitaker