Marina aponta uso do pré-sal como "cortina de fumaça" e critica corrupção na Petrobras

quinta-feira, 11 de setembro de 2014 18:06 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A candidata à Presidência Marina Silva (PSB) afirmou nesta quinta-feira que está comprometida em levar adiante a exploração do pré-sal se for eleita e classificou como "cortina de fumaça" as alegações de adversários de que reduziria a importância do petróleo na matriz energética.

Marina criticou a administração da Petrobras, alvo de denúncias de um suposto esquema de corrupção, e afirmou que vai destinar os recursos provenientes do petróleo do pré-sal para investimentos em saúde e educação, e não para a "corrupção".

"É preciso entender que o que está ameaçando o pré-sal é exatamente o que está sendo feito com a Petrobras... É isso que está ameaçando a exploração do pré-sal", disse Marina em sabatina no jornal O Globo, no Rio de Janeiro.

A candidata disse que "existe uma cortina de fumaça lançada para desviar o debate, talvez até porque já estavam sabendo das denúncias que estavam vindo das investigações" envolvendo a Petrobras e políticos da base aliada do governo da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT.

"Nós vamos explorar os recursos do pré-sal, vamos utilizar o dinheiro que está destinado para saúde e educação para investir de fato em saúde e educação, e não em corrupção como a sociedade tem medo", afirmou Marina, quando questionado sobre o papel do pré-sal em um eventual governo.

"O Brasil tem que entender que a exploração de suas riquezas naturais é uma safra que só dá uma vez, e uma safra que só dá uma vez precisa ser muito bem utilizada, estrategicamente utilizada, e não drenada pela corrupção como a gente vê lamentavelmente hoje dentro da Petrobras."

Informações vazadas à imprensa a partir de depoimentos do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa à Política Federal, mediante delação premiada, revelaram um suposto esquema de repasse de recursos a políticos e partidos da base aliada. Costa está preso desde junho no Paraná devido a acusações decorrentes da operação Lava Jato da PF, que investiga esquema de lavagem de dinheiro.

A presidente Dilma, quando questionada sobre as recentes denúncias envolvendo a Petrobras, disse que "em nenhum momento" suspeitou de esquemas de corrupção na estatal.   Continuação...

 
Candidata do PSB à Presidência, Marina Silva, em sabatina do jornal O Globo, no Rio de Janeiro. 11/9/2014. REUTERS/Pilar Olivares