Aécio sobe a 19%, Dilma recua a 36% e Marina oscila a 30%, mostra Ibope

terça-feira, 16 de setembro de 2014 21:59 BRT
 

Por Alexandre Caverni

SÃO PAULO (Reuters) - O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, foi o único dos principais concorrentes ao Palácio do Planalto a recuperar terreno na pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira, ganhando fôlego para a reta final da disputa, enquanto a presidente Dilma Rousseff (PT) perdeu pontos e Marina Silva (PSB) oscilou para baixo.

Aécio passou a 19 por cento das intenções de voto para o primeiro turno, ante 15 por cento no levantamento anterior. Enquanto isso, Dilma perdeu 3 pontos, a 36 por cento, e Marina foi a 30 por cento, oscilando negativamente 1 ponto. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais.

Na simulação de segundo turno, Dilma e Marina continuam em empate técnico, mas a vantagem numérica da candidata do PSB aumentou para 43 a 40 por cento --na semana passada o placar estava em 43 a 42 por cento.

A perda de fôlego da presidente pode ter alguma relação com as denúncias de ex-diretor da Petrobras, que segundo vazamentos de depoimentos publicados na mídia, apontam para um suposto esquema de propinas a políticos e partidos da base governista.

Os números podem indicar também que os ataques de Dilma contra Marina não estão surtindo efeito desejado e que quem está se beneficiando da elevação do tom entre as líderes da corrida presidencial é o terceiro colocado.

Enquanto Dilma ataca Marina sobre a exploração do pré-sal e sobre a formalização da independência do Banco Central, com propagandas que a candidata do PSB classifica como falsas, Aécio tem apontado para o que chama de inconsistências da ex-senadora e procurado colar nela a imagem de uma espécie de segunda candidatura do PT.

Os demais candidatos somaram 2 por cento, enquanto os votos brancos e nulos somaram 7 por cento e os indecisos ficaram em 6 por cento.

Aécio também recuperou terreno nas simulações de segundo turno contra as duas candidatas.   Continuação...

 
Foto mostra candidatos à Presidência Marina Silva, Aécio Neves e Dilma Rousseff.   REUTERS/Paulo Whitaker