Dólar sobe mais de 1% e fecha a R$2,35 após Fed

quarta-feira, 17 de setembro de 2014 18:26 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar subiu mais de 1 por cento nesta quarta-feira e fechou no patamar de 2,35 reais pela primeira vez desde meados de março após o Federal Reserve, banco central dos Estados Unidos, sugerir que o ritmo de alta dos juros será mais intenso do que o esperado.

Contudo, parte do mercado acredita que o movimento desta sessão foi exagerado, uma vez que o Fed também reiterou sua promessa de manter os juros perto de zero após terminar seu programa de compra de títulos.

A moeda norte-americana subiu 1,25 por cento, a 2,3576 reais na venda, maior patamar de fechamento desde 13 de março, quando terminou a 2,3615 reais. Segundo dados da BM&F, o giro ficou em torno de 1,2 bilhão de dólares.

"Eu suspeito que esse movimento é mais uma vontade do mercado de ficar comprado em dólares do que vontade do Fed de aumentar juros", afirmou o economista da 4Cast Pedro Tuesta.

Os integrantes do Fed agora estimam em média que os juros básicos terminem 2015 em 1,375 por cento, comparado aos 1,125 por cento previstos na reunião anterior. Para o final de 2016, a projeção média subiu para 2,875 por cento em relação aos 2,50 por cento anteriores.

As projeções levaram investidores a apostar em um aperto monetário mais intenso nos EUA, o que poderia atrair à maior economia do mundo recursos atualmente aplicados em outros mercados. Contra o euro, o dólar atingiu o maior nível desde julho de 2013, arrastando consigo o mercado cambial brasileiro.

A disparada do dólar nos mercados internacionais ocorreu apesar de o Fed deixar no comunicado a expressão que sinaliza a manutenção dos juros perto de zero por um "horizonte relevante". Muitos investidores esperavam que o BC dos EUA retirasse essa expressão do documento.

Para um importante membro da equipe econômica do governo brasileiro, o comunicado do Fed não trouxe grandes mudanças, mantendo, assim, a visão de que os juros na maior economia do mundo subirão apenas no final do primeiro semestre de 2015.   Continuação...