Equipes de resgate recuperam destroços e corpos de avião da Air Asia

terça-feira, 30 de dezembro de 2014 21:12 BRST
 

Por Gayatri Suroyo e Adriana Nina Kusuma

SURABAYA, Indonésia/JACARTA (Reuters) - Agentes de resgate indonésios que buscam um avião da Air Asia, que transportava 162 pessoas, retiraram nesta terça-feira corpos e destroços do mar, na costa da ilha de Bornéu, levando às lágrimas familiares das vítimas que assistiam a cena pela televisão.

O avião da Air Asia, que operava o voo QZ8501, um Airbus A320-200, perdeu contato com o controle de tráfego aéreo na manhã de domingo durante a passagem por uma faixa de clima ruim. A aeronave ia de Surabaya, na Indonésia, para Cingapura.

A Marinha inicialmente afirmou que 40 corpos haviam sido recuperados, mais a mídia revelou mais tarde, citando o chefe da agência de busca e resgate da Indonésia, Fransiskus Bambang Soelistyo, que apenas três corpos foram resgatados. O avião ainda não foi encontrado.

A bordo de voo QZ8501 estavam 155 indonésios, três sul-coreanos e uma pessoa cada de Cingapura, Malásia e Grã-Bretanha. O copiloto era francês.

"Meu coração está cheio de tristeza por todas as famílias envolvidas no voo QZ8501", disse o diretor da companhia aérea, Tony Fernandes, no Twitter. "Em nome da Air Asia, minhas condolências a todos. Palavras não conseguem expressar o quanto estou triste."

A companhia aérea afirmou em um comunicado que estava chamando os familiares a ir a Surabaya, "onde uma equipe de ajudantes será encarregada de cuidar das necessidades de cada uma das famílias".

Fotos de corpos flutuando no mar foram transmitidas pela televisão e parentes dos desaparecidos já reunidos em um centro de crises em Surabaya choraram com as mãos no rosto. Várias pessoas entraram em choque e foram carregadas.

Yohannes e sua esposa estavam no centro esperando notícias do irmão dela, Herumanto Tanus, e de dois de seus filhos que estavam a bordo do avião.   Continuação...

 
Membros da Força Aérea de Cingapura sobrevoam área em busca de avião desaparecido da Air Asia, nesta terça-feira. 30/12/2014 REUTERS/Edgar Su