ENTREVISTA-BNDES vê alta em desembolsos para eólicas e PCHs em 2015; solar só em 2016

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015 18:19 BRST
 

Por Anna Flávia Rochas

SÃO PAULO (Reuters) - Os desembolsos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para energia eólica e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs) devem aumentar em 2015, para no mínimo 4 bilhões de reais, disse o chefe do Departamento de Energias Alternativas do banco, Antonio Tovar.

O BNDES reduziu de 80 para 70 por cento a sua participação máxima em financiamentos de novos projetos de eólicas e PCHs em 2015, como parte das novas políticas operacionais do banco anunciadas no fim do ano passado. Mas Tovar disse que o segmento de renováveis continua a ser um dos prioritários para o banco.

"Tivemos a mudança nas políticas operacionais no banco mas para eólicas e PCHS até 30 MW, as condições foram muito pouco afetadas", disse ele.

Esses financiamentos continuam sendo baseados em Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), mais barata, e a remuneração básica do banco subiu de 1 para 1,2 por cento. A regra vale para novos projetos que vencerem leilões de energia a partir desse ano. Para os projetos antigos, que já venceram leilões no passado mas ainda não solicitaram financiamentos, as condições antigas estão mantidas.

Os desembolsos para a energia eólica em 2015 devem superar entre 10 e 15 por cento as liberações no ano passado, que foram 3,3 bilhões de reais, segundo dados fornecidos pelo banco. Já para as PCHs o banco deverá desembolsar entre 400 milhões e 500 milhões de reais neste ano, o que Tovar considera ser uma liberação relevante. Ano passado, o banco desembolsou 307,1 milhões de reais para esse segmento.

Já para a energia solar, Tovar espera que os primeiros pedidos para aprovação de financiamentos para parques vencedores do leilão realizado em outubro passado comecem a chegar no banco no segundo semestre, para possível aprovação até o fim do ano ou início de 2016.

Segundo Tovar, a maioria dos empreendedores com projetos vencedores ainda não definiu qual será seu fornecedor de módulos solares -- o que é essencial para definir o pedido por financiamento, já que o BNDES busca a nacionalização dessa indústria no país.

"Todos eles estão nesse processo hoje de decidir se seguem com equipamento local ou se importam o painel. Essa etapa tem que ser muito cuidadosa porque essa é a principal decisão a ser tomada, e não precisa tomar a decisão agora", disse Tovar.   Continuação...