Empresas aéreas globais devem elevar hedge de combustível para aproveitar queda do petróleo

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015 14:18 BRST
 

CINGAPURA/BERLIM (Reuters) - Companhias aéreas globais estão se preparando para fazer mais hedge de combustível para fixar preços do querosene de aviação, no momento em que apostam que a queda dos preços do petróleo para os menores níveis em seis anos poderá desacelerar quando o barril se aproximar do patamar de 40 dólares.

Algumas companhias aéreas já aceleraram as operações de hedge, especialmente depois que o barril do tipo Brent recuou para abaixo de 50 dólares mais cedo neste mês, afirmaram operadores de combustíveis.

Na Europa, empresas aéreas como Aer Lingus e Ryanair estão querendo aproveitar os preços baixos do petróleo para travar os custos até 2016 e além disso. A Thai Airways planeja fazer hedge de 100 por cento de suas compras de combustível neste ano.

"Se você tem sensibilidade aos preços, tem que olhar para isso como uma excelente oportunidade", disse o diretor de análise de produtos petrolíferos da Energy Aspects, Robert Campbell.

A produção atual de petróleo não pode ser sustentada a esses preços, disse Campbell, e "com algum incremento na demanda e alguma redução na oferta no final o preço será forçado de volta para cima".

O querosene de aviação pode ser responsável por entre 20 e 50 por cento dos custos operacionais de uma companhia aérea, e as variações de preços do petróleo podem significar forte impulso ou impacto negativo nos lucros dessas empresas.

Em dezembro, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês) afirmou que os preços menores da commodity podem significar que as companhias aéreas globais vão reportar as margens de lucro mais fortes em mais de cinco anos em 2015.

Apesar disso, o preço do petróleo tipo Brent caindo 60 por cento desde junho passado pode ter pego muitas empresas de surpresa.

As companhias aéreas norte-americanas que tinham hedge de combustível baseado em preços de petróleo maiores, como a United Airlines, tiveram de desistir das apostas e estão agora revendo suas estratégias para proteção da volatilidade dos preços do petróleo.   Continuação...

 
Empregado de aeroporto abastece avião da Wizz Air no aeroporto de Budapeste, em 10 de julho de 2014. REUTERS/Bernadett Szabo (HUNGARY - Tags: BUSINESS TRANSPORT)