16 de Janeiro de 2015 / às 19:58 / 3 anos atrás

Dezenas de pessoas são presas em operações contra islâmicos suspeitos na Europa

PARIS/VERVIERS, Bélgica (Reuters) - As polícias de Bélgica, França e Alemanha interrogaram dezenas de islâmicos suspeitos nesta sexta-feira, enquanto a maior parte da Europa continuava com níveis elevados de alerta de segurança, depois dos ataques da semana passada em Paris e de outras operações belgas em que dois homens armados acabaram mortos.

Unidades especiais da polícia alemã deixam um apartamento durante operações contra islâmicos suspeitos, num distrito de Berlim, na Alemanha, nesta sexta-feira. 16/01/2015 REUTERS/Fabrizio Bensch

Em Paris, houve um princípio de pânico quando um homem armado fez várias pessoas reféns numa agência dos correios localizada num subúrbio ao norte da capital. O cerco ao local acabou quando ele se entregou à polícia e ninguém ficou ferido. Autoridades disseram não poder confirmar se o incidente tinha relação com terrorismo.

A polícia belga interrogou 13 suspeitos e a França deteve duas pessoas a pedido da Bélgica, um dia depois de dois homens armados terem sido mortos durante uma operação policial contra um grupo islâmico que, segundo as autoridades, planejava um ataque contra alvos policiais.

A polícia francesa informou ter detido 12 pessoas suspeitas de ajudar os islâmicos armados por trás dos ataques de semana passada contra um jornal satírico e um supermercado judeu em Paris.

Autoridades disseram que não está claro se existe uma ligação entre o suposto complô belga e os ataques de Paris na semana anterior, mas descreveram ambas as situações como uma mesma ameaça.

“Há uma ofensiva terrorista”, disse o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, a repórteres. “Enfrentamos a mesma ameaça.”

Na Alemanha, a polícia prendeu duas pessoas após uma operação simultânea em 12 residências e uma mesquita. Um porta-voz da polícia disse que os suspeitos eram prováveis integrantes de uma célula extremista que recrutava combatentes para serem enviados à Síria.

Na Bélgica, uniformes policiais, explosivos e armas, incluindo quatro rifles AK-47, foram encontrados no apartamento onde os dois homens armados foram mortos na quinta-feira durante a operação deflagrada na cidade Verviers, no leste do país. As identidades dos homens mortos pela polícia não foram reveladas.

“Esse grupo estava a ponto de conduzir ataques terroristas com o objetivo de matar policiais nas ruas e delegacias”, disse o porta-voz da promotoria belga, Eric Van Der Spyt.

Ele se negou a comentar relatos surgidos na mídia de que os conspiradores planejavam decapitar um policial.

NERVOS À FLOR DA PELE

Na França, a demanda pela primeira edição do semanário Charlie Hebdo publicada após os ataques continuava alta pelo terceiro dia consecutivo. Uma banca no centro de Paris relatou que um ladrão invadiu o local de madrugada e roubou todas as cópias do jornal satírico.

No entanto, ocorreram protestos violentos em alguns países muçulmanos contra o jornal devido à capa da nova edição, que traz uma caricatura do profeta Maomé.

Cerca de 200 manifestantes paquistaneses entraram em confronto com a polícia em frente ao consulado francês em Karachi após um protesto contra a revista.

No Níger, um protesto acabou em violência quando manifestantes atearam fogo a igrejas e invadiram lojas administradas por cristãos. A polícia lançou gás lacrimogêneo contra uma multidão de centenas de pessoas, e barricadas de pneus em chamas foram vistas nas ruas.

O ministro do Interior francês, Bernard Cazeneuve, disse que um total de 12 suspeitos foi detido até agora em conexão com os ataques da semana passada em Paris, a maioria delas já conhecida da polícia pela prática de crimes comuns. Fontes judiciais disseram que oito homens e quatro mulheres foram detidos na região metropolitana de Paris.

Os nervos continuam à flor da pele. A estação de trens parisiense Gare de l‘Est chegou a ser esvaziada por 1 hora pela manhã, horário de maior movimento.

As forças de segurança belgas estão em alerta máximo, com reforço na segurança armada ostensiva em alguns prédios públicos, sobretudo delegacias.

A emissora pública RTBF disse que os policiais foram orientados a não ficarem sozinhos nas ruas enquanto uniformizados. Algumas escolas judias em países como Bélgica e Holanda permaneceram fechadas.

Reportagem adicional de Alastair Macdonald, em Bruxelas; de Oliver Barth, em Berlim; de Arshad Mohammed, Gerard Bon, Chine Labbe e Geert De Clercq, em Paris; e de Abdoulaye Massalaki, em Niamey

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below