Exército turco entra na Síria para resgatar soldados e realocar túmulo

domingo, 22 de fevereiro de 2015 11:02 BRT
 

ANCARA (Reuters) - Forças turcas entraram na Síria durante a noite para resgatar cerca de 40 soldados que estavam cercados há meses por militantes do Estado Islâmico enquanto protegiam o túmulo de uma personalidade turca reverenciada.

O governo sírio descreveu a operação como um ato de "flagrante agressão" e disse que responsabilizaria Ancara por suas repercussões.

A ação, que envolveu tanques, drones e aviões de reconhecimento, bem como centenas de soldados no solo, foi a primeira incursão de tropas turcas na Síria desde o início da guerra civil no país quatro anos atrás.

Os militares disseram que nenhum tipo de combate aconteceu durante a operação, embora um soldado tenha sido morto em um acidente.

Os 38 soldados que guardavam o túmulo de Suleyman Shah, avô do fundador do Império Otomano, foram levados em segurança para casa. O túmulo, que está em um local dentro da Síria que Ancara considera território soberano, conforme acordado em um tratado de 1921, foi transferido.

Normalmente, o destacamento é trocado a cada seis meses, mas o último ficou preso no local por oito meses por combatentes do Estado Islâmico.

O primeiro-ministro Ahmet Davutoglu declarou em uma coletiva de imprensa que a Turquia não pediu permissão ou assistência para a missão, mas informou seus aliados da coalisão contra o Estado Islâmico assim que a ação começou.

"Esta foi uma operação extremamente bem-sucedida, com nenhuma perda de nossos direitos sob a lei internacional", disse, ladeado pelo chefe das Forças Armadas e pelo ministro da Defesa.

O governo sírio disse em um comunicado que a Turquia poderia ser responsabilizada pela quebra do tratado depois de não conseguir esperar pelo acordo de Damasco antes de executar a operação.   Continuação...