Kevin Spacey se diverte com seu presidente anti-herói em "House of Cards"

terça-feira, 10 de março de 2015 10:34 BRT
 

Por Patricia Reaney

NOVA YORK (Reuters) - Esqueça os personagens íntegros e simpáticos que fazem o que é certo.

Kevin Spacey está convencido de que, como o político implacável e moralmente corrupto que ele interpreta no drama político "House of Cards", da Netflix –-série ganhadora do prêmio Emmy-–, o anti-herói chegou para ficar.

"A terceira temporada explora o que acontece com essas pessoas quando elas de repente estão no centro máximo das atenções por serem presidente e primeira-dama", disse Spacey à Reuters. "Essa é uma dinâmica muito interessante para se começar a pesquisar."

Quando a terceira temporada da série de transmissão online pela Netflix estreou em 27 de fevereiro, todos os 13 episódios foram imediatamente postos à disposição dos assinantes, permitindo que milhões de fãs assistissem de uma vez a sequência da série que acompanha Spacey no papel do presidente Francis Underwood e Robin Wright como sua ambiciosa primeira-dama, Claire.

Como nas duas primeiras temporadas, nas quais o casal destruiu qualquer um que obstruísse seu caminho para a Casa Branca, os últimos episódios os mostram coniventes para consolidar sua base de poder presidencial.

Underwood é personagem pelo qual o espectador se sente ao mesmo tempo repulsa e atração.

Spacey, de 55 anos, que ganhou Oscars por "Beleza Americana" e "Os Suspeitos", atribui ao inovador drama policial "Hill Street Blues", de 1980, bem como à série "Os Sopranos", da HBO, com seu chefão mafioso, além de outros programas, a introdução na TV de personagens anti-heróis.

"Parece-me que no momento que chegamos o caminho já havia sido muito bem pavimentado", disse ele. "Acho que isso é o que o público está pedindo, e não o que nós somos. Isso é o que as pessoas querem."   Continuação...

 
Kevin Spacey durante festa de estreia da segunda temporada da série "House of Cards".   13/02/2014    REUTERS/Mario Anzuoni