Ministério Público investiga acordo de compra de caças para FAB

sexta-feira, 10 de abril de 2015 14:53 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O Ministério Público está investigando se houve corrupção no acordo de 5,4 bilhões de dólares para que o governo brasileiro compre 36 caças Gripen NG, da fabricante sueca Saab, para equipar a Força Aérea Brasileira (FAB).

Uma porta-voz da promotoria federal em Brasília disse nesta sexta-feira que a investigação civil e criminal buscará determinar se houve "possíveis irregularidades" no contrato, negociado no ano passado.

A porta-voz confirmou relatos divulgados na imprensa brasileira de que a procuradoria investiga uma diferença de 900 milhões de dólares entre o preço da proposta inicial da Saab em 2009 e o preço final acordado em outubro.

A FAB escolheu o Gripen NG em uma disputa em que também estavam o F-18 Super Hornet, da norte-americana Boeing, e o Rafale, da francesa Dassault. Segundo a Saab, os primeiros Gripen NG devem ser entregues ao Brasil no início de 2018.

A FAB disse em comunicado que a diferença de preço se deve às flutuações cambiais entre o dólar e a coroa sueca, moeda em que os jatos foram precificados, e a acréscimos colocados em contrato, como apoio e suporte logístico, simuladores de voo e sistemas embarcados, como radar Wide Area Display (WAD).

"O Comando da Aeronáutica não reconhece que houve irregularidades no processo de aquisição dos caças Gripen NG, e está pronto para prestar os esclarecimentos necessários às autoridades competentes", afirma a nota.

"Cabe destacar que o novo caça vai atuar na Defesa Aérea Brasileira por, no mínimo, 30 anos."

(Reportagem de Anthony Boadle)

 
Foto de arquivo de uma caça da Saab JAS 39C Gripen em voo de exibição em Eslov. 18/12/2013  REUTERS/Johan Nilsson/Agência de Notícias TT