MRV Engenharia tem lucro 31% maior no 1o tri; distratos avançam

terça-feira, 12 de maio de 2015 21:39 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A MRV Engenharia e Participações teve alta de 31 por cento no lucro líquido e a geração de caixa mais que dobrou no primeiro trimestre sobre o mesmo período do passado, mas o desempenho veio junto com um avanço de cancelamento de contratos de venda de imóveis no período e maiores gastos comerciais.

A construtora e incorporadora informou nesta terça-feira que o lucro líquido entre janeiro e março foi de 106 milhões de reais, ante 81 milhões no primeiro trimestre de 2014, e diante de uma estimativa média de analistas de 98 milhões de reais.

O lucro avançou com a melhora do resultado financeiro e melhoria das margens, apesar da queda das vendas e lançamentos no primeiro trimestre. As vendas tiveram queda anual de 11,1 por cento enquanto os lançamentos recuaram 19,1 por cento no mesmo período.

"As safras (de imóveis) mais antigas estão perdendo relevância... As safras mais novas têm margens melhores, são mais precificadas, o reflexo disso é o aumento na receita bruta", disse o copresidente da MRV, Rafael Menin, citando o aumento da margem bruta, que passou para 29,5 por cento ante 26,4 por cento um ano antes.

O resultado financeiro da MRV ficou positivo em 45 milhões de reais no primeiro trimestre ante dado positivo de 15 milhões um ano antes.

A geração de caixa da MRV saltou a 147 milhões de reais ante 56 milhões no primeiro trimestre de 2014, mas na comparação com os três últimos meses de 2014 houve queda de 38 por cento.

Os cancelamentos de contratos (distratos) cresceram 33,5 por cento ano a ano, e 10,5 por cento sobre o quarto trimestre de 2014, encerrando março em 437,8 milhões de reais.

O aumento, segundo Menin, deu-se pelos contratos mais antigos, e não dos atuais. A companhia optou por acelerar os distratos e limpar este estoque antigo, afirmou.

A implantação do processo de vendas simultâneas (que condiciona venda de imóveis à aprovação do crédito pelo banco para o cliente) já chegou a 90 por cento das vendas em abril, e quando for totalmente implementado, os cancelamentos devem ficar abaixo de um dígito, disse Menin.   Continuação...