Chineses dizem que ações dos EUA no Mar do Sul da China são "irresponsáveis"

sexta-feira, 22 de maio de 2015 21:40 BRT
 

PEQUIM/WASHINGTON (Reuters) - A China afirmou nesta sexta-feira que está "fortemente insatisfeita" depois que um avião espião dos Estados Unidos sobrevoou parte do Mar do Sul da China nesta semana, perto de onde o país asiático está construindo ilhas artificiais. Os chineses exortaram os EUA a suspender tais atos sob risco de causar um acidente.

O voo ocorrido na quarta-feira teve destaque após a decisão incomum do Pentágono de convidar uma equipe da emissora CNN a embarcar no avião de vigilância Poseidon. A Marinha chinesa teria emitido oito advertências para a aeronave se afastar do território contestado.

O porta-voz da chancelaria chinesa, Hong Lei, disse que o Exército expulsou o avião, de acordo com regulamentos relevantes. Ele classificou a ação dos EUA como uma ameaça à segurança de ilhas e recifes da China.

"Esta ação é suscetível de causar um acidente, é muito irresponsável, perigosa e prejudicial para a paz e a estabilidade regional. Expressamos nossa forte insatisfação, instamos os EUA a respeitar estritamente o direito internacional e as regras internacionais e que se abstenham de tomar qualquer ação arriscada e provocativa", disse ele em entrevista coletiva.

"A China vai continuar a acompanhar de perto a área e tomar as medidas necessárias e adequadas para evitar prejuízos para a segurança das ilhas e recifes da China, bem como quaisquer acidentes marítimos e aéreos."

Um porta-voz do Pentágono chamou a missão de "rotineira" e disse que tais voos ocorrem "a cada poucos dias".

(Reportagem de Sui-Lee Wee, em Pequim; e de David Brunnstrom, em Washington)

 
Embarcações de dragagem chinesas são supostamente vistas nas águas em torno do recife de Mischief, nas disputadas ilhas Spratly, nesta imagem feita por um avião de vigilância Poseidon concedida pela Marinha dos Estados Unidos. 21/05/2015 REUTERS/Marinha dos EUA/Divulgação