27 de Maio de 2015 / às 02:35 / em 2 anos

Brasil e México assinam acordos econômicos e pretendem duplicar comércio

A presidente Dilma Rousseff e o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, durante cerimônia na Cidade do México nesta terça-feira. 26/05/2015 REUTERS/Edgard Garrido

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Brasil e México tomarão medidas neste ano para aliviar as restrições ao comércio bilateral e pretendem duplicar a corrente comercial em menos de 10 anos, disseram a presidente Dilma Rousseff e seu colega mexicano, Enrique Peña Nieto, nesta terça-feira.

Durante uma visita oficial à Cidade do México, Dilma disse que as negociações começarão em julho num esforço para aumentar a gama de produtos que integram um acordo de comércio conjunto conhecido como ACE 53 de cerca de 800 para mais de 6 mil itens.

O acordo mais amplo teria como objetivo cobrir bens industriais e agrícolas e incluiria novos capítulos relativos a serviços, comércio on-line e de propriedade intelectual, entre outros, afirmou Peña Nieto no mesmo evento.

“Hoje, nós estamos dando um salto qualitativo nas relações entre Brasil e México”, disse o presidente mexicano.

Dilma disse mais tarde que a petroleira estatal mexicana Pemex “seria muito bem-vinda no Brasil” e que a Petrobras também poderia ajudar a Pemex com a tecnologia de exploração em águas profundas no Golfo do México.

No início de 2013, México e Brasil disseram que considerariam a cooperação entre a Pemex e a Petrobras, mas até agora os dois países não lançaram quaisquer projetos conjuntos.

Peña Nieto disse esperar que os esforços mais recentes ajudem a duplicar em menos de uma década o comércio bilateral atual de cerca de 9,2 bilhões de dólares.

Os dois países também assinaram acordos para reforçar a cooperação econômica e os investimentos. Este último daria aos investidores dos dois países maiores garantias e foi o primeiro do tipo a ser assinado pelo Brasil nas Américas, segundo Peña Nieto.

Outros acordos foram firmados para promover o turismo e a cooperação ambiental, acrescentou.

O comércio bilateral teve altos e baixos nos últimos anos. Em 2012, o Brasil impôs um sistema de cotas de vendas de veículos para proteger a indústria automotiva, o que deveria expirar neste ano. O México esperava retomar o regime de livre comércio, mas se curvou às exigências brasileiras para estender as cotas até 2019.

Reportagem adicional de Joanna Zuckerman Bernstein e Dave Graham

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below