Pressão sobre Blatter aumenta por escândalo de corrupção na Fifa

quinta-feira, 28 de maio de 2015 09:14 BRT
 

Por Mike Collett e Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - A pressão sobre o presidente da Fifa, Joseph Blatter, cresceu nesta quinta-feira com o aprofundamento do escândalo de corrupção na entidade máxima do futebol mundial, à medida que aumentaram as críticas de importantes políticos ocidentais e grandes patrocinadores fizeram alertas à federação.

Apesar das declarações da Fifa de que a prisão de sete importantes dirigentes por acusações de corrupção feitas nos Estados Unidos não afeta suas atividades, Blatter não foi visto nesta quinta-feira e não compareceu ao congresso médico da entidade.

O suíço de 79 anos, que raramente perde um evento relacionado à Fifa e, geralmente, faz uma parada para falar com a imprensa, também foi uma ausência notável na quarta-feira, quando não participou de uma reunião de delegados de futebol de países africanos, reunidos em Zurique antes do Congresso da entidade, marcado para sexta-feira.

O diretor médico da Fifa, Michel D'Hooghe, da Bélgica, disse às autoridades médicas: "O presidente Blatter pede desculpas por não poder vir hoje por causa das turbulências de que vocês já ouviram falar".

Mas Blatter participou de uma reunião fechada com representantes das seis confederações continentais da Fifa nesta quinta para "discutir a atual situação", de acordo com um representante da Fifa.

Essas "turbulências" incluem uma investida de policiais à paisana no início da manhã de quarta-feira em um dos hotéis mais luxuosos de Zurique, com a prisão de sete das figuras mais poderosas no futebol mundial, incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol José Maria Marin, e sob o risco de extradição para os Estados Unidos por acusações de corrupção.

As autoridades suíças também anunciaram uma investigação criminal sobre a atribuição das próximas duas Copas do Mundo, marcadas para a Rússia em 2018 e o Catar em 2022.

Autoridades dos EUA disseram que nove dirigentes do futebol e cinco executivos de marketing e mídia esportiva estão sendo acusados de corrupção envolvendo mais de 150 milhões de dólares em subornos.   Continuação...

 
Presidente da Fifa, Joseph Blatter, em foto de arquivo. 30/11/2011 REUTERS/Arnd Wiegmann