ENTREVISTA-Renúncia de Blatter não terá influência no comando da CBF, diz secretário-geral

quarta-feira, 3 de junho de 2015 08:46 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Surpreendida com a renúncia do presidente da Fifa, Joseph Blatter, a cúpula da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) ainda não sabe quem vai apoiar na próxima eleição para o comando da entidade, de acordo com o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, que garantiu que a decisão do suíço não terá qualquer influência no comando do futebol no país.

Em entrevista à Reuters por telefone na noite de terça-feira, Feldman afirmou que até agora a cúpula da CBF ainda procura entender os reais motivos que levaram Blatter a renunciar ao cargo. A decisão foi tomada apenas quatro dias após Blatter ser reeleito para o quinto mandato, em meio a um escândalo de corrupção na entidade investigado por autoridades norte-americanas.

“Foi uma decisão de caráter pessoal. Aqui a CBF continua com o Marco Polo (Del Nero). Não há possibilidade de renúncia e não temos nenhum abalo por conta disso. As denúncias não caracterizam nenhum envolvimento do nosso presidente”, disse o secretário-geral na entrevista, em referência ao atual presidente da CBF.

O antecessor de Del Nero no cargo, José Maria Marin, foi preso junto a outros dirigentes do futebol na Suíça, na semana passada, como parte de uma investigação de autoridades norte-americanas sobre esquema de corrupção e suborno na Fifa, que desencadeou uma crise na cúpula do futebol mundial.

Feldman frisou que as denúncias apresentadas até agora pela Justiça dos EUA não incriminam a atual gestão da CBF e são insuficientes para se levantar suspeitas contra Del Nero. “Uma denúncia por si só não pode mudar uma estrutura”, destacou.

A partir da renúncia de Blatter e a convocação de novas eleições, a CBF pretende se reunir agora com os pares da Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) para decidir qual rumo tomar. Ao longo da era Blatter, a América do Sul tradicionalmente foi um bastião de apoio ao dirigente suíço.

“Ainda é cedo para definir o comportamento político eleitoral para a eleição na Fifa. Temos que ver os candidatos e até março muita coisa vai acontecer”, disse o secretário-geral da CBF, que assumiu o cargo após a posse de Del Nero, em abril.

Diversos nomes surgiram até o momento como possíveis candidatos à presidência da Fifa, incluindo o príncipe jordaniano Ali Bin al-Hussein, derrotado por Blatter na última eleição, o presidente da Uefa, Michel Platini, e até o ex-jogador brasileiro Zico.   Continuação...

 
Sede da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) no Rio de Janeiro. 27/05/2015  REUTERS/Ricardo Moraes