Operadoras podem ter custo de até R$5,5 bi com aumento de taxas do Fistel, diz sindicato

quarta-feira, 17 de junho de 2015 13:23 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O setor de telecomunicações calcula em até 5,5 bilhões de reais anuais o aumento de custo das operadoras de telefonia caso o governo leve adiante o plano de elevar as taxas cobradas para o Fundo de Fiscalização de Telecomunicações (Fistel).

A estimativa consta em estudo do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (Sinditelebrasil) entregue nesta quarta-feira ao ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini.

O presidente-executivo do sindicato, Eduardo Levy, disse que, se for levado a cabo um aumento de 189 por cento nas taxas do Fistel, número que tem circulado nos bastidores do governo, as empresas passariam a ter resultado negativo.

O Sinditelebrasil fez uma simulação com base no resultado de 2014, quando, somadas, as operadoras lucraram 4,03 bilhões de reais. Se o aumento das taxas do Fistel já estivesse em vigor, elas passariam a ter um prejuízo de 1,5 bilhão de reais, segundo o sindicato.

Levy, que acompanhou executivos das principais operadoras na conversa com Berzoini, disse que a ideia agora é agendar conversas nos ministérios da Fazenda e do Planejamento.

Segundo ele, Berzoini deixou os executivos mais tranquilos, dizendo que "não há nada de conhecimento dele que tenha levado a uma decisão".

(Por Leonardo Goy)