Enlutada, Charleston começa a se restabelecer depois de massacre em igreja

domingo, 21 de junho de 2015 11:23 BRT
 

CHARLESTON, Carolina do Sul (Reuters) - Centenas de pessoas foram à Emanuel African Methodist Episcopal Church, em Charleston, neste domingo, quando a igreja reabriu suas portas aos fiéis, poucos dias depois que um atirador matou a tiros nove pessoas negras, integrantes da congregação.

No lado de fora da igreja, a mais antiga congregação afro-americana no sul dos EUA, buquês, ursos de pelúcia e balões cobriam a calçada, enquanto centenas de pessoas faziam fila para homenagear os mortos, cantar hinos e deixar lembranças em homenagem às vítimas.

Milhares de mensagens manuscritas cobriam faixas brancas na entrada da igreja, onde se lia, “Deus abençoe,” ou “Obrigado senador reverendo Clementa Pickney. O senhor será sempre uma inspiração”, referindo-se ao pastor da igreja, um senador que foi uma das vítimas.

Autoridades municipais, líderes religiosos e parentes e amigos enlutados, disseram que os serviços de domingo na igreja Emanuel marcariam um pequeno passo em direção à cura, depois do último tiroteio em massa dos EUA, que mais uma vez apontou os holofotes sobre questões do país no que se refere a relações raciais e crimes com armas de fogo.

Dylann Roof, o suspeito de 21 anos, continua preso, acusado de nove homicídios. Autoridades dizem que ele passou uma hora em um grupo noturno de estudos da Bíblia da igreja, chamado de “Mãe Emanuel” pelo seu papel fundamental na história afro-americana, antes de abrir fogo na noite de quarta-feira.

Investigadores federais estavam examinando fotos e escritos sobre "supremacia branca" que surgiram em um site da internet no sábado, que pareciam mostrar Roof posando com uma arma e em pé, na frente de um museu militar confederado e de casas de escravos que trabalhavam na lavoura.

Textos publicados no site incluíam uma “explicação” do autor por ter cometido um ato não especificado.

“Não tenho escolha... escolhi Charleston porque é a cidade mais histórica no meu Estado, e durante um tempo teve a maior proporção de negros em relação a brancos no país”, dizia a mensagem.

O massacre foi o mais recente de uma série de assassinatos em massa nos EUA, que reacenderam o debate sobre o controle de armas em um país, onde o direito de possuir armas de fogo é protegido pela constituição.   Continuação...