Extrema direita francesa sofre derrota em suas principais regiões, diz boca de urna

domingo, 13 de dezembro de 2015 17:29 BRST
 

PARIS (Reuters) - O voto tático dos eleitores socialistas manteve o partido de Marine Le Pen Frente Nacional longe do poder em suas três principais regiões nas eleições regionais deste domingo, entregando o poder em todas elas para os conservadores do ex-presidente Nicolas Sarkozy, mostraram pesquisas de boca de urna.

A extrema direita de Le Pen e o partido anti-imigrantes FN teve mais votos que qualquer partido nacionalmente no primeiro turno da semana passada, impulsionado por temores sobre segurança e imigração após os ataques em Paris um mês atrás que deixaram 130 mortos.

Mas depois desse primeiro turno, o melhor da história da FN, o Partido Socialista retirou seus candidatos no norte, onde Le Pen era a principal candidata, e no sudeste, onde sua sobrinha Marion Marechal-Le Pen estava disputando, pedindo que seus eleitores votassem em Sarkozy para manter a FN longe do poder.

Os Republicados de Sarkozy e seus aliados de centro-direita receberam 57,5 por cento dos votos na região do norte do país, onde Le Pen concorria, contra os 42,5 por cento da candidata, mostrou a pesquisa Ifop Fiducial para iTELE, Paris Match e Sud Radio.

No sudeste, onde Marechal-Le Pen era a principal candidata da FN, os conservadores tiveram 54,5 por cento e a FN, 45,5 por cento, disse a pesquisa.

A taxa de comparecimento em ambas as regiões foi de mais de 61 por cento, uma alta significativa em relação ao primeiro turno, mostrou a pesquisa.

Na região leste do país, onde os Socialistas não se retiraram mas onde a FN também foi bem no primeiro turno, a centro-direita teve 48,4 por cento contra 36,4 por cento da FN, de acordo com outra pesquisa da TNS-Sofres-One Point.

Caso confirmado, os resultados serão decepcionantes para Le Pen, que esperava usar as vitórias como um apoio para as eleições presidenciais e gerais de 2017.

Os resultados de todas as 13 regiões da França devem sair esta noite.

(Por Ingrid Melander)