Semana recheada de pesquisas é decisiva para pretensões de Aécio

segunda-feira, 22 de setembro de 2014 18:29 BRT
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA (Reuters) - A semana recheada de pesquisas eleitorais e com um novo debate no domingo é decisiva para as pretensões do candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, que continuará atacando o governo e a segunda colocada Marina Silva (PSB) para buscar uma virada histórica que o leve para o segundo turno.

Na avaliação da cúpula da campanha tucana, há um movimento de recuperação dos votos perdidos para Marina que foi detectado pelas pesquisas da semana passada e que, segundo levantamentos internos do PSDB e do PT, da presidente Dilma Rousseff que tenta a reeleição, continua nos trackings diários.

Mas a intensidade dessa recuperação ainda não está clara e, por isso, ao final desta semana Aécio pode estar comemorando uma reação incrível ou, no pior cenário, se lamentando por ser o primeiro tucano a não ir ao segundo turno desde 1989. É bom lembrar que o também tucano Fernando Henrique Cardoso foi o único presidente a ser eleito no primeiro turno (1994 e 1998).

"A onda da razão já ganhou seu voto?", atendeu o telefone nesta segunda-feira um dos estrategistas de Aécio, animado com a possibilidade de uma virada eleitoral.

Segundo ele, a animação vinha dos trackings diários do PSDB, que apontavam uma recuperação de votos. "Nossas pesquisas mostram a diferença entre ele a Marina caindo para 7 pontos percentuais", disse ele, sob condição de anonimato.

"E o PT também está vazando informações que mostram os dois em empate técnico", acrescentou.

Talvez não seja tanto, mas uma fonte do comitê de Dilma confirmou à Reuters que há sim uma queda, "não vertiginosa" mas "constante", das intenções de voto em Marina e uma migração para Aécio. A expectativa entre os petistas é que a diferença entre os dois, que estava em 13 pontos percentuais na última pesquisa Datafolha, caia para menos de 10 pontos percentuais nos levantamentos que serão divulgados nesta semana.

Na semana passada, o Ibope mostrou Dilma recuando de 39 para 36 por cento das intenções de voto, Marina oscilando de 31 a 30 por cento e Aécio crescendo de 15 a 19 por cento. Já o Datafolha mostrou Dilma indo de 36 a 37 por cento e Marina passando de 33 a 30 por cento, enquanto Aécio foi de 15 a 17 por cento.   Continuação...