COLUNA-Certeza por ora, parece que só Dilma já tem lugar no 2º turno

terça-feira, 23 de setembro de 2014 11:14 BRT
 

(O autor é editor de Front Page do Serviço Brasileiro da Reuters. As opiniões expressas são do autor do texto)

Por Alexandre Caverni

SÃO PAULO (Reuters) - Com a campanha entrando na penúltima semana antes do primeiro turno das eleições, o que parece ser a única certeza neste momento é que a presidente Dilma Rousseff (PT), que tenta a reeleição, estará na segunda rodada de votação.

Embora analistas insistam que uma recuperação do terceiro colocado, Aécio Neves (PSDB), a ponto de ultrapassar Marina Silva (PSB), seria algo inédito nas disputas presidenciais considerando os números atuais, as circunstâncias são diferentes de outras vezes.

Para começar, a segunda colocada das pesquisas está sendo atacada tanto por quem está no terceiro lugar como pela líder das intenções de voto para o primeiro turno.

Normalmente, o segundo colocado "apanha" do terceiro, já que é este que está atrás e precisa ultrapassar o outro para chegar ao segundo turno. O líder não precisa bater porque está numa situação mais cômoda --como em 2002, quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) virou o "Lulinha, paz e amor" na campanha.

Mas há algumas semanas as pesquisas criaram uma situação peculiar. Naquele momento, parecia líquido e certo que Aécio estava fora da disputa, Marina tinha crescido e dividia a liderança do primeiro turno com Dilma e em simulações de segundo turno derrotava a presidente.

Com esse quadro, a campanha petista decidiu que era preciso antecipar o confronto com a candidata do PSB no que consideravam ser um "super segundo turno", pelo fato de durar mais tempo do que as três semanas que separam o dia 5 do dia 26 de outubro.   Continuação...