Dólar fecha em níveis de 2008 com avanço de Dilma em pesquisas eleitorais

segunda-feira, 29 de setembro de 2014 17:50 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou a segunda-feira no maior nível desde o fim de 2008 após as últimas pesquisas eleitorais mostrarem avanço nas intenções de voto para a presidente Dilma Rousseff (PT), cuja política econômica é duramente criticada por investidores.

O dólar subiu 1,64 por cento, a 2,4557 reais na venda. Trata-se do fechamento mais alto desde 12 de dezembro de 2008, ápice da crise financeira global, quando ficou em 2,4730 reais.

O moeda norte-americana alcançou 2,4792 reais na máxima da sessão, mas perdeu um pouco do ímpeto depois que exportadores aproveitaram as cotações altas para vender dólares. Além disso, alguns especulavam que o Banco Central poderia aumentar a intervenção no câmbio para evitar pressões inflacionárias.

Segundo dados da BM&F, o giro desta sessão foi de cerca de 2 bilhões de dólares.

"O mercado entrou com todas as fichas numa vitória da oposição e pagou para ver. O que a gente está vendo hoje é a reversão desse movimento", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

Segundo levantamento do Datafolha divulgado após o fechamento dos mercados na sexta-feira, Dilma praticamente dobrou sua vantagem contra Marina Silva (PSB) nas intenções de voto para o primeiro turno e passou a ter vantagem numérica sobre a ex-senadora em simulação de segundo turno. [nL2N0RR2ST]

Quase no final do pregão, pesquisa CNT/MDA também confirmou o avanço da presidente, dando mais um impulso ao dólar. [nE6N0PY013]

"Se isso se confirmar (avanço de Dilma) nas próximas pesquisas, o céu é o limite para o dólar", afirmou o gerente de câmbio da corretora Fair, Mário Battistel, para quem a moeda norte-americana pode ir acima de 2,50 reais no curto prazo.   Continuação...

 
Um brasileiro troca dólares por reais em corretora de câmbio no Rio de Janeiro. 04/08/2003 REUTERS/Bruno Domingos REUTERS