Bovespa fecha setembro com a maior queda mensal desde 2012 por cenário eleitoral

terça-feira, 30 de setembro de 2014 18:23 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa fechou em queda nesta terça-feira e encerrou setembro com a maior recuo mensal desde maio de 2012, com investidores colocando no preço das ações a possível reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), enquanto aguardam novas pesquisas eleitorais a poucos dias do pleito, no próximo domingo.

O Ibovespa recuou 0,93 por cento, a 54.115 pontos. O volume financeiro do pregão somou 10,7 bilhões de reais.

No mês, o índice teve desvalorização de 11,7 por cento, maior queda percentual desde maio de 2012, quando perdeu 11,86 por cento, anulando totalmente o ganho de agosto, de 9,78 por cento, quando o mercado viu na entrada de Marina Silva (PSB) na disputa eleitoral uma chance real de mudança no governo federal

Nos três meses até setembro, porém, o Ibovespa acumulou ganho de 1,78 por cento. No ano, o Ibovespa ainda acumula alta de 5,06 por cento.

"Houve uma euforia em agosto com uma possível alternância de governo, mas conforme Marina perdeu fôlego nas intenções de votos, com essa tendência se confirmando paulatinamente, acabou ocorrendo uma reavaliação de risco e uma forte realização de lucros", disse Julio Erse, gestor na NP Investimentos.

Analistas e profissionais do mercado financeiro veem com bons olhos uma mudança de governo, por acreditarem que a política econômica seria alterada.

De acordo com estrategistas do Bank of America Merrill Lynch, "as ações brasileiras continuam a reagir às pesquisas eleitorais presidenciais e a volatilidade deve seguir alta até termos uma definição clara do potencial vencedor".

Uma bateria de levantamentos sobre intenções de votos está registrada no Tribunal Superior Eleitoral para os próximos dias, incluindo divulgação dos amplamente monitorados Ibope e Datafolha ainda nesta terça-feira.   Continuação...